Fechar
Publicidade

Sábado, 29 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Moro diz que Bolsonaro está com medo da reeleição e desvia foco da população



07/12/2021 | 13:21


Em mais um dia concedendo entrevista a rádios, seguindo tendência do presidente Jair Bolsonaro (PL) e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o ex-juiz Sergio Moro (Podemos) rebateu as críticas feitas pelo chefe do Executivo na noite de segunda-feira (6). Moro afirmou que o governo está com medo da reeleição em 2022 e, por isso, quer desviar o foco da população e parte para ofensa.

"Não quero ser ofensivo com ninguém", destacou o ex-juiz, em entrevista ao programa Nova Manhã, da Rádio Nova Brasil FM, nesta terça-feira (7). "Esse governo é muito ruim. Esse governo é tão ruim porque, normalmente, é muito fácil um governo se reeleger. Você está na máquina. Se você faz um governo minimamente bom, você consegue se reeleger. O presidente está com medo. Com isso, quer ficar desviando o foco das pessoas. Por isso, fica lá ofendendo", declarou.

Na segunda-feira, o presidente voltou a criticar Moro afirmando que o possível adversário para a cadeira do Executivo em 2022 "não aguenta dez segundos de debate".

"Na verdade, quando ele faz essas estripulias, seja em relação a mim ou em relação a qualquer pessoa, o que ele quer que as pessoas esqueçam? A inflação. Quer fazer esquecer que quando a pessoa vai no mercado ou no posto de gasolina, tem que deixar a carteira dela", complementou o ex-juiz.

Na esteira das críticas lançadas um contra o outro, Moro reforçou a falta de ação do governo para combater a corrupção. Na avaliação do possível pré-candidato, a postura do chefe do Executivo é "paradoxal". "O presidente foi eleito com esse discurso contra corrupção e todo mundo sabe hoje em dia que ele não fez nada. Ao contrário, ele foi desmantelando, enfraquecendo o sistema de controle contra a corrupção", disse. Segundo ele, tal enfraquecimento resultou na soltura de criminosos e na dificuldade de se ter processos envolvendo grandes casos de corrupção.

Questionado se há arrependimento por ter integrado o governo à frente do Ministério da Justiça, Moro nega, mas diz que era uma voz "isolada" no governo.

Dallagnol

O Podemos confirmou ontem que a filiação do ex-coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato no Paraná, Deltan Dallagnol, ao partido está programada para ocorrer na sexta-feira (10), às 11h, em Curitiba. Questionado se a sigla está se tornando uma espécie de partido da Lava Jato, Moro nega a observação e avalia que a decisão de Dallagnol é resultado da falta de espaço no Ministério Público.

"O que ele Dallagnol está vendo agora na carreira dele? O espaço dele está fechado dentro do Ministério Público, porque o Ministério Público hoje, desculpe a franqueza, mas não é o Ministério Público da época da Operação Lava Jato, não tem tido a mesma atuação incisiva", comenta. Segundo ele, o cargo que Dallagnol deve concorrer cabe à legenda decidir, "mas provavelmente para deputado no Estado do Paraná".



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;