Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 25 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Sinovac diz desenvolver versão da Coronavac para combater variante Ômicron

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


07/12/2021 | 12:48


A farmacêutica chinesa Sinovac anunciou, nesta terça-feira (7), que trabalha para desenvolver uma versão da vacina Coronavac contra a covid-19 para combater a variante ômicron, identificada pela primeira vez na África do Sul. A expectativa é que a atualização do imunizante fique pronta em três meses.

As declarações foram feitas durante simpósio realizado pelo Instituto Butantan, parceiro da Sinovac na produção do imunizante. O presidente da Sinovac, Weidong Yin, destacou que a vacina vem se mostrando eficaz no combate à nova cepa, mas ressalta que a Ômicron causa preocupação. "A vacina tem se provado eficaz contra essa variante e estamos desenvolvendo um novo imunizante com base na variante", anunciou.

"Esperamos ainda mais colaboração com o Butantan para o desenvolvimento rápido de novas vacinas para as novas variantes, imunossuprimidos ou vacinas de reforço, e temos certeza que com essa parceria seremos capazes de enfrentar a covid 19", completou.

A tecnologia da Coronavac é a de vírus inativado. As vacinas que utilizam essa tecnologia são criadas com base no vírus inteiro na sua composição, enquanto os imunizantes de outras tecnologias utilizam apenas a proteína Spike, considerada "a chave do vírus" para entrar no corpo humano.

De acordo com o diretor do Butantan, Dimas Covas, o instituto e a Sinovac continuam criando novas vacinas, não só a segunda geração da Coronavac. "Vamos anunciar estudos com alcance de variantes", afirmou.

Segundo a vice-presidente da Sinovac, Yaling Hu, o primeiro passo para fazer a adaptação do imunizante é isolar a nova cepa do vírus e fazer um teste de anticorpos neutralizes. Depois, serão feitas avaliações e estudos clínicos em diferentes faixas etárias.

Conforme mostrou o Estadão/Broadcast, a vice-diretora do Centro de Desenvolvimento Científico do Instituto Butantan, Maria Carolina Sabbaga, prevê que a tecnologia da Coronavac aumenta as chances de proteção contra variantes da covid, como a Ômicron. Na avaliação da vice-diretora, "a eficácia da Coronavac é a que tem menos chance de ser burlada".



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;