Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 25 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Usuários de plataformas de música cresceram 7% no primeiro ano da pandemia

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


07/12/2021 | 12:17


A música foi uma grande companheira para as pessoas durante o período de isolamento imposto pela disseminação do coronavírus. Seja nas lives que dominaram os perfis dos artistas ou nas plataformas digitais, nas quais os lançamentos dividem espaço com o catálogo dos artistas.

Dados referentes ao mercado da música em 2020, divulgados nesta terça-feira, 7 de dezembro, pela Associação Brasileira de Música Independente (ABMI), durante o evento Rio Music Market, que ocorre no Rio de Janeiro até a próxima quinta-feira, dia 9, apontam que os usuários de plataformas de streaming no Brasil chegaram a 60 milhões no começo de 2021, um crescimento de 7% em comparação ao mesmo período do ano passado.

Esses dados se referem a usuários pagos e aos que consomem o conteúdo de graça, com a presença de anúncio entre as faixas, e não incluem as plataformas de vídeos, apenas as de áudio.

O número de gravações disponíveis comercialmente também subiu, chegando a 830 mil em 2020, crescimento de 19% em relação a 2019. O setor que ganhou mais força foi o de vídeos musicais, que triplicaram entre 2019 e 2020, passando de pouco mais de 45 mil para mais de 150 mil no ano passado.

Com o avanço das plataformas de streaming, que oferecem playlists a seus usuários, os artistas preferiram, segundo mostra a pesquisa, investir no lançamento de singles (uma só música por vez) em detrimento aos álbuns e EPs.

Os números revelam que as majors, como são chamadas as grandes gravadoras, emplacaram mais de metade dos hits (as mais ouvidas) do ranking diário Top 200 do Spotify, com 54,6% das músicas entre 1º/1/2020 e 31/12/2020. As produtoras independentes ficaram com o restante do espaço, 45,74%. Em 2019, elas estavam à frente das grandes produtoras.

Mercado vem pisando no freio

Apesar dos bons resultados, a pesquisa indica que o mercado musical, diante das incertezas e paralisações das atividades, pisou no freio. Entre as empresas do gênero (gravadoras e produtoras de conteúdo) ouvidas para o levantamento da ABMI, 63% adiaram ou descartaram o lançamento de novos produtos ou serviços e 58% desistiram de investir em novos artistas.

Em relação ao futuro do mercado da música gravada, 69% dos ouvidos se mostram otimistas. Um número alto, porém 20% menor em relação à pesquisa anterior, que sinalizava as expectativas para o ano de 2020.

Para os admiradores do formato físico, os dados seguem desanimadores. A quantidade de CDs vendida no País em 2020 encolheu 32% em relação ao ano anterior. A venda de discos de vinil também apresentou queda, 41% ao ser comparada com 2019.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;