Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 27 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Feliz no Santos, Carille confia em permanência: 'Intenção de continuar é grande'



07/12/2021 | 07:15


Fábio Carille assumiu o comando do Santos há três meses com missão de salvar a equipe do rebaixamento no Brasileirão. Cumpriu a primeira meta, já garantiu o time na Copa Sul-Americana e ainda chega à rodada final, quinta-feira, diante do Cuiabá, com chances, pequenas, de vaga à Copa Libertadores. Em alta, o técnico espera sentar com os dirigentes para acertar a permanência para 2022 já nesta semana com intuito de iniciar o mais breve possível o planejamento da próxima temporada.

"A vontade existe, o contrato está aí. Temos algumas conversas, presidente e o Edu Dracena (executivo de futebol) entraram em contato com meu empresário. Estou muito feliz aqui, estou mesmo, um ambiente maravilhoso. A intenção de continuar é grande", faz juras de amor ao clube da Baixada o treinador.

"Já falei várias vezes sobre querer continuar. Meu contrato não tem multa sobre sair ou o Santos mandar embora. Vamos conversar agora. Eu aceitei sabendo dos riscos", observou, contudo. "Estamos na Sul-Americana com possibilidade de Libertadores. No dia 9 completo três meses de Santos, um trabalho intenso", disse. "Agradeço à diretoria pela oportunidade, aos jogadores que compraram algumas ideias. Foi um ano muito difícil. É curtir os 49 pontos, Sul-Americana e quem sabe beliscar uma Pré-Libertadores? Daí começamos a pensar em futuro."

Carille espera por uma renovação e usa seu trabalho para mostrar aos dirigentes ser merecedor de voto de confiança com metas mais ambiciosas no próximo ano. Em 2021 o Santos não passou da primeira fase do Paulista e da Libertadores, caiu cedo na Copa do Brasil e na Sul-Americana e passou sufoco no Brasileirão.

O treinador lista suas modificações na equipe da Vila Belmiro para chegar à última rodada sem riscos e com ambições. "Era um time que não fazia tantos gols e sofria muitos. Tínhamos que buscar o equilíbrio. Com jogo atrás de jogo, tínhamos que fazer algo. Não tomando gol estaríamos mais perto da vitória e com a qualidade da frente, o gol sairia em algum momento", revelou Carille.

"Fomos ajeitando. Falei muitas vezes sobre os três zagueiros pela primeira vez na carreira. Em cinco anos, foi a primeira vez. Detectamos que era o melhor para o momento, precisávamos jogar por resultados. Não era para jogar bonito. E a resposta foi boa."



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;