Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 24 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Vale do Anhangabaú é reaberto em São Paulo, mas quiosques seguem fechados



06/12/2021 | 16:51


Após mais de quatro meses da inauguração oficial, atrasos na obra e problemas na concessão pública, o novo Vale do Anhangabaú foi reaberto ao público nesta segunda-feira, 6, na região central da cidade de São Paulo. Os gradis que isolavam parte da área foram retirados, mas os quiosques comerciais seguem fechados. A programação de atividades de lazer, esporte e cultura também não foram iniciadas.

A concessão ainda inclui outros ícones do centro histórico paulistano, como a Praça Ramos de Azevedo, um trecho da Avenida São João (entre as ruas Conselheiro Crispiniano e São Bento), as Galerias Formosa (localizada abaixo do Viadudto do Chá) e Prestes Maia (parcialmente) e os baixos dos Viadutos do Chá e Santa Ifigênia. Todos terão gestão, manutenção, preservação e ativação sociocultural de responsabilidade do consórcio Viva o Vale (liderado pela WTorre Entretenimento e a Urbancom) por 10 anos.

Esta segunda-feira também marca o início da concessão, processo que passou por adiamentos após a primeira selecionada ser desclassificada em junho. Na sequência, o novo selecionado foi anunciado, com a assinatura do contrato (avaliado em R$ 55,1 milhões, o que inclui um pagamento de R$ 6,5 milhões à Prefeitura e intervenções obrigatórias) em agosto. O Estadão procurou o consórcio sobre os planos para o local, mas não obteve retorno com mais informações até as 16h15. Uma reunião de representantes da WTorre e da Urbancom estava na agenda da manhã do prefeito Ricardo Nunes (MDB).

Segundo a Prefeitura, os mais de quatro meses para a liberação total do espaço se devem em parte à pandemia da covid-19. "À medida que houve progressiva melhora na situação sanitária, o local foi gradativamente aberto", justificou em nota.

"Enquanto isso, houve zeladoria das áreas públicas do Vale, com reparos pontuais e limpeza do local. Os equipamentos, como quiosques e banheiros, estavam sem uso e serão gradativamente liberados pela concessionária, de acordo com a programação de atividades e a necessidade de atendimento ao público", destacou a gestão.

Em novembro, um relatório preliminar do Tribunal de Contas do Município (TCMSP) apontou quatro irregularidades no contrato de manutenção firmado pela Secretaria Municipal de Obras e a SPTuris neste ano (em decorrência no atraso da concessão). Entre elas estão: falta de licitação, cobrança de taxas ao município e emissão de nota fiscal fora do contrato.

Objetivo da Prefeitura é atrair mais público à noite e nos fins de semana

O objetivo do Município é ampliar a presença da população no vale, principalmente à noite e nos fins de semana, inspirando-se no que ocorre aos domingos na Avenida Paulista. O projeto é uma das séries de propostas das últimas gestões municipais para a região central, como o Parque Augusta, a reforma do Largo do Arouche e a recuperação dos calçadões do triângulo histórico.

Desde antes da abertura, os espaços que não estavam isolados por gradis têm atraído praticantes de esporte sobre rodas, como patins e skate. O resultado da obra de remodelação gerou, contudo, opiniões divergentes entre frequentadores, especialistas e população em geral, especialmente pela pavimentação, paisagismo e custo final (cerca de R$ 105 milhões).

O contrato de execução da obra foi assinado em 2017, porém passou por atrasos (o que impactou no custo), prolongando o prazo inicial de dois anos de execução por meio de 14 aditamentos (de natureza diversa, de extensão de datas a suspensão temporária de obra). O projeto anterior do vale era dos reconhecidos arquitetos e urbanistas Rosa Kliass e Jorge Wilheim.

O projeto do Anhangabaú foi idealizado com a consultoria do escritório do arquiteto dinamarquês Jan Gehl e passou por uma série de mudanças (especialmente realizadas pelo escritório Biselli Katchborian) ao longo dos anos. Entre a elaboração da proposta, a realização de audiências públicas, o contrato e a execução, a cidade teve três prefeitos, Fernando Haddad (PT), João Doria (PSDB) e Bruno Covas (PSDB). A inauguração oficial ocorreu, contudo, na gestão Nunes.

Concessão do Vale do Anhangabaú prevê atividades de pequeno a grande porte

A minuta do contrato de concessão determina a realização de um número mínimo de atividades diárias no espaço, voltadas a públicos de menor porte (de 10 a 249 pessoas) e com propostas socioculturais, educativas, esportivas, recreativas e de lazer. Há a determinação de ações de maior público também.

Outras obrigações do consórcio são a disponibilização de um aplicativo para a divulgação da programação (ao menos para dispositivos com sistema iOS e Android) e o monitoramento por câmeras das áreas. Obras também são exigidas, incluindo as reformas das Galerias Prestes Maia e Formada (estimadas em R$ 2,8 milhões).

Entre as fontes de renda permitidas, estão publicidade, locação de áreas (parte das galerias, quiosques etc) e realização de eventos. Em eventos não ligados à Prefeitura, o consórcio terá exclusividade para vendas de produtos no local. A receita bruta anual estimada pela gestão municipal é de R$ 5,7 milhões (majoritariamente da locação de espaços).



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;