Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 26 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Projeção do Focus de alta do PIB de 2021 cede de 4,78% para 4,71%



06/12/2021 | 09:13


O Relatório de Mercado Focus divulgado na manhã desta segunda-feira, 6, mostrou nova deterioração no cenário de crescimento econômico do Brasil. A redução na previsão mediana para Produto Interno Bruto (PIB) de 2021 foi de 4,78% para 4,71%. Há quatro semanas, estava em 4,93%. Para 2022, a projeção de expansão do PIB recuou de 0,58% para 0,51%. Há um mês, estava em 1,00%.

Considerando apenas as 51 respostas nos últimos cinco dias úteis, a estimativa para o PIB no fim de 2021 passou de 4,69% para 4,65%. Para 2022, foram feitas 50 atualizações nos últimos cinco dias, com a estimativa passando de 0,39% para 0,51%.

Para 2023, a projeção de crescimento também cedeu, de 2,00% para 1,95%, ante 2,00% de um mês antes. Já para 2024, a estimativa subiu de 2,00% para 2,10%, ante 2,05% de quatro semanas atrás.

O Banco Central deixou de publicar, no documento do Focus, as projeções para a produção industrial, devido à pouca quantidade de respostas para esse indicador.

O Relatório de Mercado Focus também mostrou hoje que a projeção para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB para 2021 caiu de 59,60% para 59,50%. Há um mês, estava em 60,15%. Para 2022, a expectativa passou de 63,00% para 63,20%, ante 62,90% de um mês atrás.

O relatório trouxe ainda alteração na relação entre o déficit primário e o PIB deste ano, de 0,70% para 0,60%. No caso de 2022, a estimativa seguiu em 1,20%. Há um mês, os porcentuais estavam em 1,00% e 1,15%, respectivamente.

Já a relação entre déficit nominal e PIB em 2021 passou de 5,80% para 5,75%, conforme as projeções dos economistas do mercado financeiro. Para 2022, variou de 6,70% para 6,80%. Há quatro semanas, essas relações estavam em 5,90% e 6,55%, nesta ordem.

O resultado primário reflete o saldo entre receitas e despesas do governo, antes do pagamento dos juros da dívida pública. Já o resultado nominal reflete o saldo já após as despesas com juros.

Os economistas do mercado financeiro pioraram a projeção de déficit em conta corrente do balanço de pagamentos em 2021, de US$ 11,44 bilhões para US$ 14,50 bilhões. Há um mês, a mediana era negativa em US$ 10,00 bilhões. Para 2022, o rombo projetado continuou em US$ 19,0 bilhões, mesmo patamar de um mês atrás.

Para os analistas consultados semanalmente pelo BC, o ingresso de Investimento Direto no País (IDP) será suficiente para cobrir o resultado deficitário nestes anos. A mediana das previsões para o IDP em 2021 seguiu em US$ 50,00 bilhões, como já estava um mês antes. Para 2022, a expectativa continuou em US$ 56,80 bilhões, ante US$ 60,00 bilhões de um mês antes.

No caso da balança comercial em 2021, a projeção passou de superávit comercial de US$ 70,00 bilhões para US$ 60,30 bilhões. Um mês atrás, a previsão era de US$ 70,25 bilhões. Para 2022, a estimativa de superávit foi de US$ 63,65 bilhões para US$ 63,00 bilhões, ante US$ 63,00 de um mês atrás.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;