Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 25 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Variante Ômicron afeta mais ações de small caps do que de grandes companhias



05/12/2021 | 12:21


O surgimento da variante de covid-19 Ômicron vem atingindo com maior intensidade as ações de empresas de menor valor de mercado, as chamadas small caps, do que as de grandes companhias ou blue chips. Desde o dia de Ação de Graças nos Estados Unidos, o benchmark Russell 2000 caiu 7,4%. Na semana passada, o índice recuou após um movimento de correção, perdendo mais de 10% em relação ao seu recorde de novembro. Em contrapartida o Índice S&P 500, que reúne grandes companhias, caiu 3,5%.

As perdas atingiram todo o mercado de small caps dos EUA. Foram registradas quedas de ações de empresas do setor financeiro, de tecnologia, saúde e energia. As mais afetadas do Russell 2000 no período foram farmacêuticas e companhias de biotecnologia, que muitas vezes registram grandes oscilações em razão de dados clínicos ou decisões regulatórias, bem como as de software e varejo, que caíram após relatórios de lucros. Registraram queda, ainda, restaurantes e empresas de entretenimento presencial, que poderão ser prejudicados pela redução do número de consumidores, em virtude de preocupações com a exposição ao vírus.

As ações da rede de restaurantes Cheesecake Factory recuaram 6% desde a notícia da variante; da SeaWorld Entertainment, 10%; e as da Dave & Buster's Entertainment, 17%.

As small caps tendem a ser mais vulneráveis à decisão de consumidores ficarem em casa ou de autoridades renovando bloqueios porque, geralmente, têm menor diversificação de linhas de negócios do que as concorrentes de maior porte, o que torna as ações uma aposta mais arriscada em tempos de incerteza econômica. "De modo geral, as small caps não estão tão bem preparadas para resistir à tempestade quanto as grandes empresas", disse o gerente de portfólio do fundo Aberdeen U.S. Small Cap, Tim Skiendzielewski.

Há apenas algumas semanas, o mercado de ações como um todo, e as empresas de pequeno porte em particular, estavam atingindo níveis históricos. Durante a onda de liquidação estimulada pela pandemia no início de 2020, o Russell 2000 caiu mais do que o S&P 500. Mais tarde, no mesmo ano, testes promissores de vacinas contra covid-19 aumentaram as expectativas para a recuperação econômica e contribuíram para um período de liderança das small Caps.

Nesta semana, investidores monitorarão se a onda de volatilidade continua e os sinais de demanda do consumidor em relatórios de lucros da varejista de peças automotivas AutoZone, da fabricante de alimentos Campbell Soup e da fabricante de uísque Brown-Forman Corp. Alguns gestores de fundos avaliam que investidores reagiram de forma exagerada à recente queda e podem voltar às pequenas empresas cedo ou tarde.

Analistas esperam que os lucros das empresas do Russell 2000 cresçam 170% no quarto trimestre do ano, em relação a um ano antes, ante um crescimento de 22% das empresas S&P 500, de acordo com dados da Refinitiv. A contínua recuperação econômica deve impulsionar o desempenho das small caps, dizem eles. "Os fundamentos das small caps são muito melhores do que o mercado está percebendo", disse o gerente sênior de portfólio do Westwood Holdings, Bill Costello.

(Com Dow Jones)



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;