Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 27 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Em 'Siameses?, escritor Antonio Geraldo Figueiredo Ferreira prova ser mestre



05/12/2021 | 08:30


Na casa vazia da literatura brasileira contemporânea, surge agora um livro que certamente fará a ambição dos nossos literatos explodir de inveja ou desprezo. Trata-se do assombroso e gigantesco Siameses, de Antonio Geraldo Figueiredo Ferreira - um romance de 1.336 páginas que, ao ser corajosamente publicado por uma editora à margem do mercado editorial (Kotter), apenas faz no nosso vazio intelectual o que, em 1956, Guimarães Rosa provocou com o lançamento praticamente simultâneo de Corpo de Baile e Grande Sertão: Veredas.

Os superlativos não são um exagero. Quando um livro deste tipo surge no panorama, não devemos ter medo de elogiá-lo. Há de se ter a obrigação de fazer o que o poeta polonês Adam Zagajewski chamava de "em defesa do fervor". Pois Siameses é, de fato, um romance concebido, criado e escrito no meio do fervor. Porém, um fervor extremamente calculado, construído sobre bases múltiplas que misturam o grotesco, o lírico, o digressivo, o intelectual - e, sobretudo, o diabólico.

BOA TRAMA. Como toda boa trama romanesca, torna-se impossível resumir o assunto do livro. Em uma longa conversa entre dois amigos, Osmar (o único que fala) e Procópio (o que fica aparentemente calado o tempo todo), sabemos do triângulo amoroso (ou seria quadrado?) entre o operário metido a intelectual Tomás, sua esposa, a enfermeira Rebeca e a vendedora Azelina, uma jovem apetitosa que atiça os desejos do primeiro e o coloca em uma verdadeira odisseia do azar. Aparentemente, essa história não nos diz nada - e mal seria uma razão para o leitor comum acompanhá-la se não fosse por um detalhe que Antonio Geraldo faz questão de mencionar constantemente no livro: o que estamos a ler não é uma mera quadrilha à la Drummond, e sim um resumo histórico dos últimos 40 anos do que aconteceu, em microcosmo, nesta nação gigantesca que é o Brasil.

METÁFORAS. Para relacionar esses dois planos, Siameses constrói uma trama de símbolos e de metáforas, espalhadas por meio de digressões que visam despistar o leitor. Por um lado, ela dialoga tanto com a tradição temática do Modernismo Brasileiro de 1922, com seu antropofagismo, ao analisar a brasilidade esteticista, como com a linha do Modernismo Europeu, em especial o romance enciclopédico celebrado por James Joyce em Ulisses (1922) e Finnegans Wake (1939) ou pelo poema A Terra Devastada (1922), de T. S. Eliot.

PRÓSPERO. É um fenômeno já descrito por Richard M. Morse em seu magnífico ensaio O Espelho de Próspero, em que a imersão no caos e no anonimato das grandes cidades - ou, no caso de Siameses, no interior fronteiriço entre São Paulo e Minas Gerais - somente nos leva a um centro desatado do que deveria ser a "comoção da vida". Tudo isso converge para uma visão de mundo que acompanhava Antonio Geraldo em seu romance anterior, o celebrado As Visitas Que Hoje Estamos (2014), na qual o colapso existencial do País se soma agora ao encontro da raiz de todos os nossos problemas políticos, morais, sexuais e econômicos. Trata-se da nossa atração insaciável por aquilo que hoje podemos chamar sem hesitação de "o contágio da mentira", o qual corrói o Brasil do início ao fim, do topo até o chão, do chão até o nosso subsolo irracional.

MENTIRAS. Em Siameses, enquanto o leitor acompanha as peripécias de Tomás para seduzir Azelina e enganar Rebeca, com toda a destreza narrativa comunicada por Osmar a Procópio, pouco a pouco as noções de verdade e mentira, fato e ficção, realidade e alucinação tornam-se cada vez mais imprecisas. Daí o título do romance: tudo está inevitavelmente ligado, numa irmandade macabra que, como o próprio projeto estético de Antonio Geraldo antecipou desde a primeira linha do romance, nos leva desses filhos da mentira ao próprio pai da falsidade.

A ambiguidade que surge desta trama é poderosa, pois ela se alimenta da própria novidade que o gênero romance apresenta à sociedade em que se insere. Em inglês, o romance é também "novel", que, se aqui pode ser a novela (um gênero anfíbio assim simplificado por causa do tamanho das suas páginas), é também o novo a surgir toda vez que nos encontramos na casa vazia das palavras sem sentido.

Assim, o que Siameses faz para as nossas letras é uma espécie de "destruição criativa", na qual a divisão entre a palavra a descrever a vida e a própria vida fraciona cada linha do romance de Antonio Geraldo, para depois ele sempre retornar à unidade da trama literária. Mesmo assim, o escritor preserva o fervor típico de quem sabe que, para criar, é necessário muitas vezes demolir o que achávamos ser o fundamento de todas as coisas petrificadas do nosso passado e que precisam de um novo sopro. Neste espelho literário, digno de Próspero, a obra-prima de Antonio Geraldo Figueiredo Ferreira nos presenteia com um modo para reconstruir o Brasil, esteticamente e moralmente. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;