Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 25 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

'A Doença do Outro' aborda HIV Sob uma perspectiva artística e social



04/12/2021 | 11:30


O ator Ronaldo Serruya, lá no começo da década de 1990, revelou sua homossexualidade para a mãe, Dona Ângela. Aos 22 anos, o jovem, sem negar um certo alívio, ouviu na sequência uma incômoda recomendação. "Por favor, não vá ficar doente porque não admitiria se você morresse antes de mim", advertiu Ângela. A preocupação materna, que pode ser vista hoje como um excesso dramático, tornava-se compreensível em uma época em que a aids era vista como sentença de morte e, carregada de preconceitos, tida com um mal dos homossexuais. "Desde que a aids chegou ao Brasil, há quarenta anos, os gays conviviam com a ideia de que não teriam escapatória, de que algum dia seriam tocados, o que ainda gera muitos estigmas", afirma o ator.

Em 2014, Serruya, profissional reconhecido, um dos integrantes do Grupo XIX de Teatro e fundador do coletivo Teatro Kunyn, descobriu ser portador do vírus HIV durante um check-up de rotina. "Um mês depois, conversei com a minha mãe que, a partir daquele momento, eu viveria com o HIV e muita coisa tinha mudado desde os tempos do Cazuza, do Lauro Carona e do Renato Russo", declara o ator, referindo-se a nomes famosos levados pela aids. "Mas minha mãe, que mora no Rio de Janeiro e sempre acompanhou minhas estreias em São Paulo, desta vez não virá e entendo que ela tenha seus limites."

A estreia em pauta é a de A Doença do Outro, solo escrito e protagonizado por Serruya, que começou temporada presencial nesta terça, dia 30, e segue até o domingo, dia 5, no Espaço Cênico Ademar Guerra do Centro Cultural São Paulo, com ingressos a R$ 30. Sob a direção de Fabiano Dadado de Freitas, a montagem é uma das peças contempladas pela Mostra de Dramaturgia em Pequenos Formatos Cênicos, que ainda apresentará Trava Bruta, de Leonarda Glück, entre os dias 7 e 12, e Betta Splendens, de Tatiana Ribeiro, de 14 a 19 deste mês. De 31 de janeiro e 6 de fevereiro, A Doença do Outro ganha novas sessões, desta vez on-line, no youtube do Centro Cultural São Paulo.

Claro que não foi um processo simples levar ao palco A Doença do Outro. Logo depois de receber o diagnóstico, Serruya viveu um luto pessoal. "É inevitável ter medo, você se sente um corpo sujo, vem a culpa e, claro, existe um processo por trás do HIV, que inclui a perspectiva do vírus e a perspectiva social", diz. O artista precisou de um tempo para entender como ampliaria o tema e colaboraria para quebrar estigmas resistentes. Uma espécie de ensaio foi o espetáculo Desmesura, produzido pelo Teatro Kunyn em 2017, que se inspirava na figura do dramaturgo argentino Raúl Damonte Botana, o Copi (1939-1987), vitimado pelo aids. "Ali, eu estava protegido por um personagem, mas já foi uma tentativa de discussão mais contemporânea sobre o que pretendia montar", explica.

A Doença do Outro é estruturada como uma palestra-performance em que a plateia recebe estímulos para responder perguntas ou opinar sobre situações trazida pelo narrador representado pelo ator. "O que apresento vem de uma perspectiva autobiográfica, mas é atravessado por conceitos que saem do meu corpo e são interligados por questões sociais e de raça", define. "Tenho noção de que o fato de ser um gay branco, artista e morador de uma grande cidade me proporciona facilidades que alguém do interior do Brasil não tem e que, se essa pessoa precisa silenciar diante do HIV, é porque muitas coisas entram em jogo na vida dela."

Serruya completa 50 anos na segunda, dia 6, e reconhece que, apesar da maturidade e dos avanços da medicina, sofreu da mesma forma que se tivesse sido diagnosticado aos 20 e poucos anos. "O medo da rejeição até hoje é muito forte. Sei de gente que não revela sua condição para a família ou amigos íntimos", declara. O artista apressa-se em afirmar que sair do armário do HIV, ainda mais sob os olhos do público, não lhe faz melhor que ninguém. "Só que, dentro do meu universo, entendi que o silêncio não me protegeria de nada e faz parte do meu papel de artista colaborar para a desmistificação."



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;