Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 25 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Modal ferroviário pode atingir até 47,2% da matriz de transportes em 2035, aponta PNL



03/12/2021 | 17:01


Até 2035, o modal ferroviário deve atingir pelo menos 30% de participação na matriz de transportes brasileira, podendo chegar a 47,2%. É o que projeta o Plano Nacional de Logística (PNL) 2035, que traça nove diferentes cenários para o planejamento e desenvolvimento da infraestrutura de transportes no Brasil. O documento foi oficialmente lançado nesta sexta-feira, 3, pelo Ministério da Infraestrutura, que estima uma tendência de crescimento da malha ferroviária acima de 61% em extensão.

O desenvolvimento do modal ferroviário é um dos destaques do PNL, já que o governo prevê um avanço significativo do modal, que é considerado mais eficiente e menos poluente que o transporte por rodovias, predominante no Brasil. Hoje, as rodovias respondem por mais de 60% da matriz, em comparação com cerca de 20% de participação das ferrovias.

Para chegar a esse novo patamar, o governo conta com novos leilões de ferrovias e a execução das obras já previstas. Entre os destaques da malha está Ferrovia Norte-Sul (já licitada), a Ferrovia de Integração Oeste-Leste (com primeiro tramo já leiloado), a Ferrovia de Integração Centro-Oeste, e a Ferrogrão, que sofre com imbróglios jurídicos para sair do papel.

Outro destaque é o Marco Legal das Ferrovias, que entrou em vigor por Medida Provisória (MP) editada pelo governo em agosto. O texto libera um novo regime ferroviário no País, chamado de autorização. Nele, traçados são construídos exclusivamente pelo interesse da iniciativa privada, sem licitação. Desde que a MP foi publicada, o governo já recebeu 36 solicitações para construção de ferrovias, com investimentos que ultrapassam R$ 150 bilhões - número que ainda não foi integralmente absorvido pelo PNL.

"A alteração do marco regulatório das ferrovias, flexibilizando a entrada de operadores privados no sistema ferroviário por meio da autorização de exploração, incentiva o investimento privado para a exploração desse modo de transporte, propiciando geração de empregos e crescimento econômico, podendo produzir, portanto, um relevante impacto na rede de transportes, nos próximos 15 anos", aponta o plano do Ministério.

A simulação de que o modal ferroviário possa representar 47,2% da matriz em 2035 vem do oitavo cenário formulado no PNL. Nele, a pasta fez uma superposição de todos os cenários anteriores. "Embora a junção de efeitos específicos de cada um dos cenários simulados independentemente possa potencializar comportamentos, dificultando uma análise mais aprofundada, o cenário cumpre um importante papel em ser uma hipérbole de comparação, permitindo que efeitos mais discretos nos cenários anteriores se apresentem de forma "exagerada" para uma discussão consciente e cientificamente adequada", pontua o PNL.

Emissões - Outro dado destacado pela Pasta é a promessa de redução das emissões de gases poluentes a partir do avanço do modal ferroviário e da adoção de inovações tecnológicas, por exemplo. A estimativa é que ocorra uma redução de até 14% no nível de emissão em comparação a um cenário futuro em que nada é feito, considerando a mesma rede de oferta de transportes de 2020, mas com as demandas de 2035.

A redução de emissões também pode ser calculada monetariamente, aponta o PNL. Segundo os parâmetros da Empresa de Planejamento e Logística S.A., cada tonelada de CO2eq não emitida corresponde a R$ 71,43, em valores de 2020. Isso quer dizer que, na média dos cenários simulados, o ganho ambiental da evolução da matriz de transporte para modos menos poluentes seria de R$ 620,72 milhões.

Como mostrou o Broadcast mais cedo, a expansão e desenvolvimento da infraestrutura de transportes no Brasil até 2035 pode necessitar de até R$ 789 bilhões em investimento. Esse montante é considerado para um cenário de máxima oferta no País, segundo o PNL, que estima um crescimento do PIB potencializado de 6% a 11% com os investimentos em infraestruturas de transporte, até 2035.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;