Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 25 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Autoridades chinesas dizem que irão ajudar Evergrande a lidar com dívida



03/12/2021 | 15:58


Autoridades chinesas disseram nesta sexta-feira que iriam intervir para ajudar a Evergrande a lidar com sua crise, depois que a gigante imobiliária altamente endividada alertou que corria o risco de não cumprir uma grande obrigação financeira e buscou ajuda do governo de sua província.

O governo de Guangdong, província no sul da China onde a empresa fica sediada, disse que, a pedido da Evergrande, enviaria um grupo de trabalho para ajudar na administração de riscos.

O grupo deve supervisionar e aprimorar a gestão de riscos e os controles internos da companhia, além de ajudá-la a manter as operações normais, dizem autoridades. Segundo o governo, a decisão foi tomada depois que funcionários convocaram o presidente da empresa, Hui Ka Yan, para uma reunião.

Também nesta sexta, o Banco Central da China disse que apoia a decisão do governo de Guangdong de intervir. O Banco do Povo da China (PBoC), pro sua vez, afirmou que cooperaria com os esforços e trabalharia com outras agências e governos locais para ajudar a reduzir os riscos da Evergrande e manter a estabilidade nas propriedades do país mercado. Os reguladores bancários e de valores mobiliários da China também disseram que trabalhariam juntos para manter saudável o setor imobiliário em geral.

As autoridades também usaram palavras duras para a empresa. "Os riscos de Evergrande são principalmente devido à sua própria má gestão e expansão cega", disse o PBoC, ecoando algumas de suas críticas anteriores ao desenvolvedor de 25 anos.

Em um documento regulatório, a Evergrande afirmou nesta sexta que recebeu uma demanda de US$ 260 milhões para "cumprir suas obrigações sob uma garantia" e, se não honrar com seus compromissos, alguns credores podem exigir o reembolso acelerado das quantias que são devidas.

A incorporadora também disse que planeja trabalhar com credores internacionais em um plano de reestruturação, efetivamente admitindo pela primeira vez que suas pesadas dívidas offshore não são sustentáveis.

A companhia afirmou que "planeja se envolver ativamente com os credores offshore para formular um plano de reestruturação viável do endividamento offshore da empresa para o benefício de todas as partes interessadas."



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;