Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 25 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Rafaela Vitoria: 'a recessão pode ser mais severa se o juro subir muito'



03/12/2021 | 08:08


Diante da recessão técnica em que o Brasil entrou no terceiro trimestre, o Banco Central terá de ser cuidadoso ao elevar a taxa básica de juros (Selic) nos próximos meses, sob o risco de colocar o País em uma crise ainda mais profunda, avalia a economista-chefe do Banco Inter, Rafaela Vitória.

Segundo ela, uma Selic superior a 10% pode ser prejudicial à economia. Hoje, a taxa de juros está em 7,75%. "A atividade econômica tem de entrar no radar (do Banco Central). O Brasil ainda tem 13,5 milhões de desempregados e precisa voltar a crescer. O PIB está no mesmo patamar do último trimestre de 2019. Estamos há quase dois anos sem nenhum crescimento", afirmou. Confira, a seguir, trechos da entrevista.

O ano começou parecendo que haveria recuperação, mas agora estamos em recessão, o que aconteceu?

Temos alguns componentes externos. Nesse terceiro trimestre, a grande surpresa foi a queda do agronegócio. Não imaginávamos que seria desse tamanho, 8% é bastante. Teve produções bem afetadas com seca e geada, com queda de mais de 20%. Café e milho sofreram muito. A crise hídrica teve impacto direto no agronegócio e indireto no aumento do custo da energia no Brasil. Acabou resultando em desaceleração. O consumo das famílias teve crescimento, mas não na magnitude que se esperava com o avanço da vacinação. A alta da inflação já está retirando consumo das famílias.

Questões políticas têm interferido na economia?

Neste momento, acho que não diretamente. Mas, indiretamente, a incerteza política - principalmente o fato de as reformas não terem avançado e essa discussão de PEC dos Precatórios - traz insegurança para o mercado. Isso fez a moeda se desvalorizar mais que o esperado, contribuindo para elevar a inflação. Isso já resultou em alta de juros. Mas, mesmo nesse último trimestre, a subida dos juros foi bem maior do que esperávamos no início do ano.

O Inter espera alguma mudança nessa trajetória da economia até o fim do ano?

O quarto trimestre deve ser parecido com esse, com uma variação também próxima a zero. Aí, devemos ter um crescimento de 4,7% no ano.

Esse cenário se repete em 2022? Como vê a Selic no próximo ano e seu impacto na inflação e no PIB?

O Banco Central sempre foi muito focado em inflação e expectativa de inflação. Acho que precisa incorporar a expectativa de desaceleração da atividade. Se subir muito o juro, a gente pode ter uma recessão prolongada e mais severa. Acho que a atividade tem de entrar no radar. Qual a taxa de juros que controla a inflação, mas não permite que a recessão seja tão forte? Porque, como vimos, o Brasil ainda tem 13,5 milhões de desempregados e precisa voltar a crescer. O PIB está no mesmo patamar do último trimestre de 2019. Estamos há quase dois anos sem nenhum crescimento. É preciso voltar a crescer e gerar emprego.

E qual seria essa taxa?

Acho que vai precisar chegar a dois dígitos, talvez 10% seja necessário. Mais que isso, a gente pode ter uma recessão severa. Mas nós (Banco Inter) temos no cenário 11% para 2022 e PIB de 0,5%. Acho que precisamos de juros menores do que isso.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;