Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 28 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Taxas de juros caem com ajustes nas apostas da Selic após PIB e aprovação da PEC



02/12/2021 | 18:51


Os juros futuros fecharam em queda, e de forma substancial nos vencimentos curtos, em função do quadro de fraqueza da economia indicado pelo PIB do terceiro trimestre e pelo avanço da PEC dos Precatórios, aprovada pelo Senado e com alterações que reduziram o risco de haver uma "farra fiscal". A percepção de que o Copom não deve acelerar o ritmo de alta da Selic continuou avançando, com as apostas de manutenção do ritmo de aumento de 1,5 ponto porcentual se consolidando como amplamente majoritárias. Com o quadro interno favorável, nem o avanço do yield da T-Note de dez anos nem os ganhos do petróleo conseguiram fazer o contraponto.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2023 caiu 25 pontos-base, de 11,836% para 11,58% (regular) e 11,535% (estendida). A do DI para janeiro de 2025 recuou a 11,26% (regular) e 11,18% (estendida), de 11,495% ontem no ajuste. O DI para janeiro de 2027 fechou a regular com taxa de 11,27% e a estendida em 11,15%, de 11,423%.

A queda de 0,1% do PIB no terceiro trimestre na margem veio levemente pior do que a mediana das estimativas, de estabilidade, e puxada pelo tombo de 8,0% da Agropecuária. Com dois trimestres seguidos de retração - o PIB do segundo trimestre caiu 0,4% (dado revisado), a economia tecnicamente estaria em recessão. Embora não tenha sido grande surpresa, o mercado aproveitou a deixa para reduzir as apostas num Copom mais duro, considerando ainda a redução do risco fiscal com o avanço da PEC, que, aprovada, reduz a chance de o governo apelar aos créditos extraordinários - o texto terá de voltar à Câmara.

A PEC foi aprovada em segundo turno com placar folgado de 61 a 10, mas conquistado a partir de uma negociação árdua travada pelo relator Fernando Bezerra (MDB-PE). No primeiro turno, havia sido aprovada após acordo do governo para carimbar o espaço fiscal ao Auxílio Brasil e despesas previdenciárias e limitar o pagamento de precatórios até 2026, e não mais até 2036. Com as concessões, o governo conseguiu votos em bancadas que resistiam a apoiar a PEC.

"A uma semana do Copom, a avaliação é que recessão e Copom 'hawk' não combinam. E o avanço da 'PEC do teto' no Congresso caminha para estabelecer uma referência para a avaliação do estrago do governo sobre a avaliação de risco derivado do julgamento do mercado sobre as contas públicas", afirma o Banco Fator, em relatório do economista-chefe José Francisco de Lima Gonçalves.

De acordo com a Greenbay Investimentos, a curva precificava em torno de 25% a 30% de chance de aumento de 175 pontos-base para as reuniões do Copom de dezembro e fevereiro, e entre 70% e 75% de probabilidade de 150 pontos. Para o fim de 2022, projetava Selic entre 12% e 12,5%.

Outro fator que desestimula apostas numa elevação maior que 1,5 ponto é o possível impacto da variante Ômicron na economia. Aos poucos, as autoridades vão anunciando medidas, no mínimo, mais cautelosas quanto à reabertura das atividades em função da nova cepa, como no caso do governo de São Paulo, que voltou atrás na liberação do uso de máscaras em locais abertos a partir do dia 11, e da prefeitura da capital paulista, que cancelou a festa de Revéillon da cidade.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;