Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 28 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Relator faz acordo para modificar PEC dos Precatórios; votação pode ser amanhã



01/12/2021 | 20:24


O líder do governo e relator da PEC dos Precatórios, senador Fernando Bezerra (MDB-PE), fechou um acordo com senadores para modificar a proposta na tentativa de conseguir votos no plenário da Casa, onde há resistências. As alterações, no entanto, ainda dependem de aval da equipe econômica e da Casa Civil. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco Pacheco (PSD-MG), sinalizou que a votação ficará para amanhã, às 9 horas.

Após uma reunião com senadores críticos à PEC, Bezerra anunciou quatro pontos com "acordo de mérito": limitar o pagamento de precatórios até 2026, e não mais até 2036; carimbar todo o espaço fiscal da proposta, e não apenas parte da folga, para o Auxílio Brasil e despesas previdenciárias; retirar a securitização da dívida ativa; e garantir o pagamento de precatórios priorizados com a retirada das despesas ligadas ao antigo Fundef do teto de gastos.

Redução das dívidas judiciais

Bezerra afirmou que o acordo negociado permitirá a redução do volume de dívidas judiciais adiadas em 2022, mas sem mexer no limite para o pagamento de precatórios imposto pela PEC. Essa reformulação, de acordo com o relator, será possível com a retirada dos precatórios ligados ao antigo Fundef do teto de gastos e do sublimite para o pagamento das sentenças judiciais.

"O governo está mantendo a estrutura da sua proposta, que é a abertura do espaço fiscal ser feita pela criação do subteto dos precatórios e através da sincronização das despesas obrigatórias com a correção do teto, que estão sendo feitas agora no mês de dezembro", disse Bezerra.

O senador José Aníbal (PSDB-SP) afirmou que os ajustes na PEC garantirão que R$ 44 bilhões em precatórios sejam pagos em 2022 dentro do limite, incluindo os oriundos de requisições de pequeno valor (RPV), pessoas com deficiência e idosos e os de natureza alimentícia.

Com esse cálculo e a retirada das despesas ligadas ao Fundef do limite, ficariam R$ 34 bilhões para anos seguintes. Para Aníbal, o desenho "amarra" a proposta sem deixar espaço para uma farra eleitoral no próximo ano. "Não há nenhum espaço na nossa proposta para orçamento secreto", disse o senador tucano.

As alterações ainda terão de passar por um crivo do Ministério da Economia. Fernando Bezerra afirmou que o ministro da pasta, Paulo Guedes, tem colaborado "no limite do esforço" para consolidar um acordo e aprovar o texto no Senado.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;