Fechar
Publicidade

Sábado, 22 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Pandemia derruba número de casos de Aids no Grande ABC

Celso Luiz/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Em 2020 foram diagnosticados 61,1% menos pacientes do que em 2019; desde o início da década de 1980, região acumula 15.411 positivos


Anderson Fattori
Do Diário do Grande ABC

01/12/2021 | 00:03


A falta de diagnóstico durante a pandemia da Covid derrubou o número de casos de HIV no Grande ABC, de acordo com avaliação de especialistas ouvidos pelo Diário. Dados do Painel de Indicadores Epidemiológicos do Ministério da Saúde mostram redução de 61,1% nos casos confirmados de Aids entre 2019, quando foram registrados 365 positivos, e 2020, com 142. Hoje é comemorado o Dia Mundial da Luta contra a Aids.

Desde o início da década de 1980 até o ano passado foram reportados 15.411 casos confirmados de Aids na região, sendo 5.350 nos últimos 13 anos, média de 412 a cada 12 meses. A cidade com o maior número de positivados é Santo André, com 4.991, seguida de São Bernardo, com 4.311; Diadema, com 2.207; Mauá, com 2.137; São Caetano, com 1.134; Ribeirão Pires, com 464; e Rio Grande da Serra, com 167 – veja dados completos na arte acima.

Infectologista do Hospital Brasil, da Rede D’Or São Luiz, Edson Luiz Tarsia Duarte foi taxativo ao comentar a redução nos números. “Não acredito que (a queda) reflita a realidade, muito provavelmente está relacionada com a pandemia e a dificuldade no acesso à saúde que se criou nesses últimos dois anos. Antes da crise tínhamos inúmeros centros abertos fazendo testagem de rotina e esse número ficou reduzido. Até a procura da população ficou menor no período porque as pessoas ficaram com medo de se expor”, comentou.

A opinião do infectologista é compartilhada pela gestora do curso de biomedicina da USCS (Universidade Municipal de São Caetano), Adriana de Brito. “O ano de 2020, que foi bastante atípico em virtude da pandemia, fez com que muitas pessoas deixassem de fazer seus exames de rotina. Por esse motivo, é bastante provável que a redução esteja ligada com a diminuição das testagens de HIV”, comentou. “Desde 2012 é observada redução na taxa de Aids no Brasil, a qual está relacionada à melhora do monitoramento dos casos, distribuição gratuita dos medicamentos pelo SUS (Sistema Único de Saúde) e novas classes de antirretrovirais mais potentes e com efeito colateral menor, que garantem maior adesão ao tratamento pelos pacientes e melhor qualidade de vida”, acrescentou Adriana.

Duarte ressalta, porém, que a popularização da Prep (Profilaxia Pré-Exposição) ao HIV pode ter contribuído para queda nos indicadores, mas em velocidade menor. A medicação é novo método de prevenção à infecção, que consiste na tomada diária de um comprimido que permite ao organismo estar preparado para enfrentar possível contato com o HIV, ou seja, o indivíduo se prepara antes de ter relação sexual de risco. “Temos políticas de combate ao HIV no Brasil e tivemos a implementação da Prep, o que pode estar relacionado à diminuição dos casos porque interrompe a cadeia de transmissão. Mas, mesmo assim, a redução não reflete a realidade”, avaliou.

VIDA NORMAL
Os especialistas dizem que as medicações disponíveis atualmente no Brasil trazem aos portadores do vírus HIV qualidade de vida semelhante a da população em geral. “É completamente possível conviver com o vírus atualmente. A maioria das pessoas que fazem o tratamento corretamente leva vida normal com expectativa de vida similar à do restante da população sem maiores intercorrências”, finaliza Duarte.


Região fará testagem rápida gratuita

Hoje, no Dia Mundial da Luta Contra a Aids, as cidades do Grande ABC vão participar da campanha Fique Sabendo, promovida pelo governo estadual e que vai oferecer testagem de HIV e sífilis. Por todo o Estado, deverão ocorrer 365 mil exames, de hoje até terça-feira, e na região a expectativa é de 11,1 mil testes – confira abaixo os locais dos exames na região.

Além da testagem, as cidades também vão promover eventos para destacar o Dezembro Vermelho, mês que marca a Campanha Nacional de Prevenção ao HIV/Aids. “Fazer o diagnóstico e tratar as pessoas que vivem com estas doenças são formas efetivas de melhorar a qualidade de vida e quebrar a cadeia de transmissão. Justamente por isso a campanha anual intensifica trabalho que o SUS (Sistema Único de Saúde) realiza durante o ano todo voltado à prevenção das ISTs (Infeccções Sexualmente Transmissíveis)”, comenta o Secretário de Estado da Saúde, Jean Gorinchteyn.

Em Santo André, hoje será realizada mesa virtual transmitida ao vivo, das 9h30 às 11h30, pela plataforma YouTube com o tema Fique Sabendo + Panorama do HIV/Aids em Santo André. Até o dia 8 o saguão do Teatro Municipal receberá a exposição Sou + Estou Indetectável. Serão expostos banners com histórias e imagens de 13 pessoas que vivem com HIV com diferentes perfis.

São Caetano aposta em rodas de conversa hoje, às 13h, no Caps (Centro de Atenção Psicossocial), na Rua dos Castores, 60, no bairro Mauá; e no dia 7, na Garagem Vipe (Rua Theobaldo de Nigris, 33, Boa Vista), ambas com o tema Prevenção às ISTs/HIV/Aids.
Já em Diadema, hoje, o coordenador do Programa Municipal IST/ Aids e Hepatites Virais, Alexandre Yamaçake, fará live e abordará a doença no mundo, País e município, fatores de risco, prevenção, teste rápido, como viver com HIV, entre outros temas. O evento será às 13h, no Youtube da Prefeitura.

Ribeirão Pires promove hoje, às 13h30, live no Facebook (Facebook.com/SaudeRibeirãoPires) para elucidar os temas relacionados ao HIV/AIDS. A apresentação será feita pela equipe do SAE (Serviço de Atenção Especializada).
Em Rio Grande da Serra, a Prefeitura realiza ações de conscientização sobre o tema hoje, das 9h às 12h, e amanhã, das 13h às 16h, na Praça da Bíblia, no Centro. A campanha tenta estimular as pessoas fazerem o teste, com garantia de sigilo, confiança, qualidade no diagnóstico, vinculação à referência e acesso oportuno ao tratamento.

CONSÓRCIO
Desde o dia 19 de novembro, o Grande ABC conta com ouvidoria regional que acolhe denúncias com base na lei estadual 11.199/02 (que pune a discriminação contra pessoas que vivem com HIV ou Aids). A ouvidoria é fruto de convênio entre o Consórcio Intermunicipal do Grande ABC e a Secretaria Estadual da Justiça e Cidadania. A iniciativa, primeira do gênero no Estado, também acolhe denúncias de discriminação em razão de orientação sexual ou identidade de gênero.
 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;