Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 19 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Aversão a risco global contamina Ibovespa, que segue para 5º mês seguido de queda



30/11/2021 | 10:56


A piora de humor dos mercados internacionais nesta terça-feira, após o respiro da véspera, contamina o Ibovespa, que cai para a faixa dos 102 mil pontos, após a alta de 0,58% da véspera (102.814,03 pontos). Com isso, já amarga queda de 1,18% em novembro, indo para o quinto mês seguido de desvalorização. Alerta da Moderna sobre a possibilidade de eficácia reduzida das suas vacinas conta a variante Ômicron deixa investidores na defensiva no mundo todo, o que não é diferente aqui.

Para completar, há questões específicas internas que podem reforçar o sentimento negativo dos mercados ou aliviá-lo, a depender do andamento da votação da PEC dos Precatórios na CCJ e depois no plenário do Senado. "Se não passar a PEC dos Precatórios, será muito negativo para os mercados", avalia Vitor Miziara, da Critéria. "A única certeza por enquanto é a volatilidade", diz.

Conforme Celso Fonseca, sócio e head de renda variável da Venice Investimentos, a aprovação da PEC dos Precatórios na CCJ já estaria no preço. Segundo ele, o que poderia dar algum alívio seria a aprovação no plenário do Senado nos próximos dias. "Lá, deve ser a grande dificuldade", diz.

"O dia é majoritariamente de aversão a risco", simplifica o economista Carlos Lopes, do BV, ao referir-se às preocupações crescentes de investidores com o avanço da pandemia de covid-19 no mundo após a descoberta da Ômicron e para a qual a Moderna alerta que o vírus tem muitas mutações que a produção de novos imunizantes não seria tão rápida. "E isso assusta os mercados", completa Lopes, em comentário a clientes e à imprensa.

As bolsas da Europa caem acima de 1%, mesmo após crescimento do PIB em alguns países europeus e o PMI Industrial da China, assim como a maioria dos índices futuros de ações americanos, enquanto petróleo cede mais de 2,50%. O minério de ferro à vista, no porto chinês de Qindgao, fechou em baixa de 0,85%, a US$ 102,39 a tonelada. Os papéis da Vale reduziam a queda a 0,03% há pouco.

A despeito do recuo do petróleo no exterior, as ações da Petrobras se equilibram com o noticiário sobre a petrolífera, como a confirmação de pagamento de dividendos. A estatal assinou contratos com a SBM Offshore para afretamento e prestação de serviços do FPSO Alexandre de Gusmão e o início da fase vinculante para venda integral de sua participação no Campo de Catuá, pertencente ao Bloco Exploratório BC-60, localizado na Bacia de Campos, no Espírito Santo. As ações cediam 0,61% (PN) e 0,56% (ON).

Em meio a este cenário incerto, o mercado ficará atento às palavras do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), Jerome Powell, e da secretária do Tesouro do país, Janet Yellen, ao meio-dia, no Senado. O tema a ser abordado pelo dirigente do Fed foi antecipado ontem, quando Powell afirmou que os recentes desenrolares da pandemia podem apresentar riscos à economia americana.

"Está dizendo que segue preocupado com a nova cepa, que pode contaminar o emprego e a atividade. As palavras podem trazer alívio se o mercado interpretá-las como indicativo de atraso na alta dos juros americanos", avalia Fonseca, da Venice Investimentos.

Para Miziara, o alerta da Moderna pode ser mais uma justifica para uma realização nos mercados de ações, especialmente nos Estados Unidos. Por ora, cita, o consenso dos médicos e especialistas é de que a nova variante não deve preocupar tanto. Além disso, lembra que a agenda de indicadores desta semana lá fora também está repleta de dados, o que fortalece a cautela.

No Brasil, além do foco no debate sobre a PEC dos Precatórios, o investidor acompanhará a participação do presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, em eventos, ainda mais em dia de divulgação de dados de atividade. Há pouco, saiu a taxa de desemprego pela Pnad Continua no trimestre até setembro. O dado ficou em 12,6%, vindo um pouco acima do piso de 12,5% e levemente abaixo da mediana de 12,7% das expectativas dos analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast, cujo teto era 13,3%. À tarde, será informado o Caged de outubro.

Às 10h47, o Ibovespa cedia 0,28%, aos 102.525,44 pontos, ante mínima diária aos 102.012,78 pontos e máxima aos 102.814,03 pontos.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;