Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 27 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Ex-primeira-dama reivindica vitória nas eleições de Honduras



30/11/2021 | 07:01


A candidata esquerdista Xiomara Castro, ex-primeira-dama de Honduras, reivindicou sua vitória nas eleições presidenciais, após abrir uma vantagem de quase 20 pontos porcentuais sobre seu principal adversário, o governista Nasry Asfura - com pouco mais da metade dos votos apurados.

Caso a vitória seja confirmada, Xiomara será, aos 62 anos, a primeira mulher a ocupar o cargo em Honduras. Com uma apuração lenta, no início da noite de ontem, ela tinha 53,6% dos votos, ante 34% de Asfura, do Partido Nacional. Em terceiro lugar aparece o candidato do Partido Liberal, Yani Rosenthal, com 9%. Esta é a maior vantagem já registrada no país desde o retorno à democracia, em 1980.

RECONCILIAÇÃO

Xiomara é mulher do ex-presidente Manuel Zelaya, deposto por um golpe militar, em 2009, após aproximar Honduras da Venezuela de Hugo Chávez. Na campanha, a ex-primeira-dama prometeu "um governo de reconciliação". "Estendo minhas mãos a meus opositores, pois não tenho inimigos. Convocarei um diálogo com todos os setores", assegurou.

Caso se torne a primeira mulher a ocupar o cargo de presidente de Honduras, Xiomara colocará fim a uma hegemonia de 12 anos do Partido Nacional, o mais tradicional do país, e substituirá o conservador Juan Orlando Hernández, que encerrará seu mandato envolvido em denúncias de narcotráfico e corrupção. "A esta altura (o resultado) é irreversível", disse o ex-presidente do Conselho Nacional Eleitoral (CNE), Augusto Aguilar. "É tanta a diferença, algo jamais visto na história de Honduras."

ALIANÇA

O Partido Liberdade e Refundação, de Xiomara, se aliou a outras legendas para enfrentar o Partido Nacional. A aliança também reivindicou a vitória nas prefeituras da capital, Tegucigalpa, e de São Pedro Sula, as duas maiores cidades do país, apesar de a apuração das eleições municipais só começar quando terminar a presidencial.

O presidente do CNE, Kelvin Aguirre, destacou a participação "histórica" de 62% dos eleitores: 3,2 milhões de hondurenhos compareceram às urnas. Se a vitória de Xiomara for confirmada, ela assumirá um país afetado pela violência das gangues, pelo narcotráfico e constantemente atingido por furacões. Além disso, ela herdará uma crise econômica grave. O desemprego chega a 11%, impulsionado pela pandemia, que leva milhares de hondurenhos a tentar migrar ilegalmente para os EUA. (Com agências internacionais)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;