Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 9 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

UE cobra multa de 1 milhão de euros da Polônia por desrespeitar Estado de direito



27/10/2021 | 16:42


A Polônia deverá pagar à União Europeia uma multa diária de 1 milhão de euros (R$ 6,47 milhões), determinou nesta quarta-feira, 27, o Tribunal de Justiça do bloco.

A punição, caracterizada por Varsóvia como "chantagem", é uma resposta à decisão polonesa de não cumprir o veredicto comunitário que determinava a suspensão de sua controversa reforma judicial, vista como uma ameaça à independência do Judiciário e à ordem democrática.

A multa acirra ainda mais a tensão entre a UE e o seu Estado-membro, em cabo de guerra após o Tribunal Constitucional polonês determinar que a lei nacional tem primazia sobre a legislação comunitária. A decisão equivaleu a uma declaração de guerra contra um dos pilares de integração do bloco: o primado do direito comunitário sobre o direito nacional.

"Como a Polônia não suspendeu a aplicação das provisões da lei nacional (...) será ordenada a pagar à Comissão Europeia uma multa diária", disse o Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE), sediado em Luxemburgo, referindo-se ao órgão Executivo do bloco europeu.

A Comissão Europeia havia pedido que as punições fossem implementadas no mês passado após Varsóvia ignorar um parecer emitido pelo TJUE em julho para que"suspendesse imediatamente" sua reforma no Judiciário.

A reforma impede os juízes de submeterem questões de direito ao TJUE. Ela também estabeleceu uma Câmara Disciplinar na Suprema Corte para supervisionar os juízes poloneses, com o poder de suspender sua imunidade para expô-los a processos criminais ou cortar seus salários, o que críticos e opositores dizem ter como objetivo punir magistrados que criticarem o governo ultranacionalista comandado pelo partido Lei e Justiça (PiS).

Os membros da Câmara Disciplinar são indicados pelo Conselho Nacional do Judiciário, escolhido pelo Parlamento, onde o PiS e seus aliados têm maioria.

Varsóvia já disse em mais de uma ocasião que irá abolir a Câmara Disciplinar, mas não apresentou planos concretos para fazê-lo. De acordo com uma decisão prévia do tribunal comunitário, a câmara "pode ser usada para exercer controle político sobre decisões judiciais ou para exercer pressão sobre juízes para influenciar suas decisões".

"Esta é uma nova etapa da operação para afastar a Polônia de sua influência no sistema do nosso Estado. É usurpação e chantagem", disse no Twitter o ministro de Justiça do país, Sebastian Kaleta, tido como um linha-dura do PiS. Segundo ele, o tribunal europeu está "agindo além de suas competências e abusando da implementação de multas e medidas temporárias".

Bruxelas e Varsóvia travam uma série de disputas legais que se acentuaram após a chegada do PiS ao poder, em 2015. O partido implementou também reformas que, segundo organizações defensoras dos direitos humanos, violam os direitos da população LGBTQIAP+ e a liberdade de imprensa.

REPASSES EM XEQUE

O impasse vem atrasando a aprovação pela UE dos planos de Varsóvia para usar a verba que lhe cabe no plano de recuperação pós-pandemia do bloco. A iniciativa visa ajudar as economias da UE a amortecer os impactos da covid-19, mas a liberação dos recursos está vinculada à adequação ao Estado de direito e a aos padrões de democracia dos países-membros. A expectativa do PiS é de que o país receba 24 bilhões de euros em subsídios, além de outros 12 bilhões de euros em empréstimos.

A Polônia já havia sido condenada a pagar multas diárias de 500 mil euros (R$ 3,23 milhões) por não implementar a decisão comunitária de suspender as operações em uma mina de lignito perto da fronteira com a República Checa. Em resposta, Bruxelas enviou ao governo do primeiro-ministro Mateusz Morawiecki uma carta informando que se o valor não fosse pago, o bloco iria retirar os valores devidos, com juros, de repasses comunitários futuros.

Na semana passada, em uma sessão no Parlamento Europeu com a presença do presidente polonês, Andrzej Duda, a líder da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, não descartou cortar o acesso cortar o acesso polonês a fundos comunitários dos quais é amplamente dependente. Desde que se juntou ao bloco, em 2004, foram mais de 260 bilhões de euros em repasses.

Após vários bloqueios da Polônia e da Hungria, o bloco aprovou no início do ano um mecanismo de condicionalidade que vincula o repasse orçamentário ao respeito ao Estado de direito e aos tratados da UE. Os governos de ultradireita de ambos os países, contudo, levaram a questão à Corte Europeia, e aguardam o parecer. (COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS)



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;