Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 3 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Plano de recuperação fiscal do Rio prevê receita extra de R$ 100 bi em 10 anos



27/10/2021 | 11:18


O governo do Rio prevê, dentro do novo Regime de Recuperação Fiscal, uma receita extra de R$ 100 bilhões nos próximos dez anos. O novo plano foi entregue na noite da terça-feira, 26, ao Tesouro Nacional e apresentado à imprensa nesta quarta-feira, 27. Para efeito de comparação, o Estado deve fechar este ano com arrecadação de R$ 116 bilhões. Ou seja, trata-se de quase um ano extra de receitas no período previsto.

Segundo o secretário estadual de Fazenda, Nelson Rocha, o plano é composto de três pilares: desenvolvimento do Estado, pagamento de parte da dívida com ativos e ajustes obrigatórios do RRF. "Sem desenvolvimento não haverá recuperação possível", afirmou.

A duração do novo regime é de dez anos, sendo que haverá 30 anos para a dívida de R$ 172 bilhões ser paga. Em 2022 e 2023, R$ 6,9 bilhões serão quitados. O primeiro ano está isento de pagamento.

No início deste mês, a Assembleia Legislativa (Alerj) aprovou um novo pacote de ajuste enviado pelo governador Cláudio Castro (PL) como exigência do plano de recuperação. Essas medidas permitirão uma economia de R$ 4,5 bilhões em despesas ao longo de dez anos, segundo a Fazenda. Inicialmente, a ideia do governo era economizar R$ 10 bilhões, mas já sabendo que alguns pontos seriam rejeitados na Casa.

O pacote da Assembleia determina a adoção de um teto de gastos e mudanças na aposentadoria dos funcionários públicos. Com pelo menos 25 anos de serviço, as mulheres verão a idade mínima passar de 55 para 62 anos; os homens, de 60 para 65.

O alívio de caixa no âmbito dessas medidas obrigatórias aprovadas na Alerj será de R$ 4,5 bilhões em dez anos. Isso garantirá os salários em dia para o funcionalismo e ajudará na capacidade de investimento, segundo o governo.

"É uma falácia dizer que não podemos investir porque estamos no regime. Nós precisamos investir porque estamos no regime", disse o secretário de Casa Civil, Nicola Miccione.

Para alcançar o ambicioso aumento de arrecadação, o Estado aposta em medidas como o Pacto RJ, que prevê investimentos em infraestrutura; no espaço fiscal promovido pelo novo regime; na arrecadação de royalties e participações especiais; e em ganhos com fiscalização em participações especiais.

Já no caso do pagamento da dívida com ativos, a principal aposta é na securitização da dívida ativa, que deve resultar em R$ 44 bilhões.

"É numa nova etapa do Rio. O Rio se coloca como referência para os demais estados que vão pleitear suas recuperações", alegou Nelson Rocha.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;