Fechar
Publicidade

Domingo, 5 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Dólar reduz queda por cautela fiscal antes de Copom



27/10/2021 | 09:51


O dólar desacelera a queda no mercado doméstico, por cautela fiscal. Com a brecha do teto de gastos, parlamentares querem R$ 16 bilhões para emendas do relator, além de aumento do fundo eleitoral para R$ 5 bilhões. Pesa também a incerteza se a PEC dos Precatórios será mesmo votada nesta quarta-feira, após adiamento ontem na Câmara.

Mais cedo, as perdas já eram moderadas, em linha com o viés de baixa do dólar no exterior. No radar está ainda a reprecificação da alta esperada para a Selic hoje, pela terceira vez seguida, para 1,5% ontem, a 7,75% ao ano, de 1,25 ponto porcentual na pesquisa de segunda-feira. A expectativa é de que o Copom também deve ser mais duro no comunicado da reunião por causa da pressão inflacionária e sinais de piora das contas públicas neste ano e em 2022.

Os investidores monitoram ainda os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgados mais cedo. A taxa de desocupação no Brasil ficou em 13,2% no trimestre encerrado em agosto, exatamente no piso das estimativas na pesquisa do Projeções Broadcast, que tinha intervalo entre 13,2% e 13,7%, com mediana de 13,5%. Em igual período de 2020, a taxa de desemprego medida pela Pnad Contínua estava em 14,4%. No trimestre móvel terminado em julho, a taxa de desocupação estava em 13,7%.

Mas, a renda média real do trabalhador somou R$ 2.771 no trimestre encerrado em agosto, ficando 10,2% inferior em relação a igual período do ano anterior, e a massa de renda real habitual paga aos ocupados somou R$ 219,2 bilhões no trimestre até agosto, recuo de 0,7% na mesma base de comparação.

Além disso, o Índice de Preços ao Produtor (IPP), que inclui preços da indústria extrativa e de transformação, desacelerou a alta, a 0,40% em setembro, ante 1,89% em agosto.

Nesta manhã, o Banco Central programou leilões de swap cambial de até 14.000 contratos (US$ 700,0 milhões) para overhedge de bancos, às 10h30, e de 8.000 contratos (US$ 400,0 milhões) para finalizar a rolagem do vencimento de janeiro de 2022, às 11h30

No exterior, o juro do bônus britânico (Gilt) de 10 anos atingiu mínima em pelo menos 13 semanas nesta manhã, segundo a Tradeweb, após o ministro de Finanças do Reino Unido, Rishi Sunak, prever que a economia britânica voltará a níveis pré-pandemia de covid-19 "na virada do ano", na apresentação de projeções econômicas revisadas. Às 9h25 (de Brasília), o rendimento do Gilt de 10 anos caía a 1,041%, de 1,113% no fim da tarde de ontem, operando apenas um pouco acima da mínima de 1,037%.

Às 9h33, o dólar à vista caía 0,06%, a R$ 5,5686 e o dólar futuro para novembro tinha viés de alta, a R$ 5,5720 (+0,03%).



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;