Fechar
Publicidade

Sábado, 4 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Lira: PEC (que muda CNMP) serviu para apresentarem proposta de Código de Ética



26/10/2021 | 18:55


O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), disse que a votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) serviu para que a categoria resolvesse se mexer e elaborar um Código de Ética. A proposta recebeu 297 votos a favor e 182 contrários, mas precisava de no mínimo 308 para ser aprovada. "Não querer fazer código de ética ninguém sustentava, tanto é que agora eles já estão apresentando proposta. Serviu para isso né?", afirmou.

Questionado sobre qual será seu próximo passo em relação à PEC, Lira pediu calma e afirmou que a Câmara tem "outras prioridades". Na semana passada, Lira sinalizou que colocaria em votação o texto original da PEC, de autoria de Paulo Teixeira (PT-SP), já que somente o parecer do relator, Paulo Magalhães (PSD-BA), teria sido derrotado. Hoje, no entanto, ele recuou, um movimento que indica que esse texto tampouco teria os votos necessários.

"Não falei que vou reapresentar o texto original, nem pensei. Eu disse que o jogo não terminou", afirmou. "Queria agradecer aos parlamentares que se mantiveram firmes, porque não há por parte da imprensa quem tenha uma crítica imparcial a fazer ao texto da PEC. Todos os pedidos que o MP fez foram atendidos e dois artigos redigidos por eles."

Lira manteve seu posicionamento favorável à paridade, com a sociedade civil, na composição do CNMP - hoje com maioria de membros da própria categoria. "Precisa de freios, porque investiga a todos. E votar num corregedor indicado numa lista quíntupla, um membro de cada região do País, de procuradores-gerais de Justiça (PGJs) e ex-PGJs, não posso entender como sendo uma colheita melhor. E dizer que ser votado pelo Congresso Nacional é demérito? É melhor ser votado por quem fez um concurso ou por quem recebe de quatro em quatro anos a outorga do povo para representar? Essa foi a discussão da PEC."

O presidente da Câmara disse ainda que o MP não ganhou a batalha da PEC. "Não se alcançou fórum de PEC, é diferente a narrativa. Não era a PEC da Vingança. Aqui existia PEC para que todos os órgãos desse País saibam que têm limites e que precisam obedecer principalmente à sociedade", afirmou.

Lira criticou ainda a atitude de alguns procuradores, como o procurador-geral de Justiça de Minas Gerais, Jarbas Soares Junior, que pressionaram os deputados de forma explícita. "Não adianta a politização ou o policiamento de determinados PGJs, a exemplo do PGJ de Minas Gerais com a bancada de Minas Gerais. Quem se absteve ou votou contra é homem de bem, quem votou a favor não é? É um policiamento à atividade legislativa, é o controle externo do Congresso Nacional? Estou citando Jarbas que é meu amigo, está nas redes sociais dele. Esse tipo de atuação não ajuda em nada a democracia no Brasil."



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;