Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 29 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Máfia do ISS: Desembargadores julgam recurso de reitor condenado por propina



26/10/2021 | 15:16


Os desembargadores da 16ª Câmara de Direito Criminal julgam nesta terça, 26, um recurso que discute a sentença que condenou o empresário Eduardo Storópoli, reitor da Universidade Nove de Julho (Uninove) e do pró-reitor da entidade, Marco Antônio Malva, a dez anos de prisão, cada, pelo pagamento de R$ 1,6 milhão em propinas ao ex-auditor fiscal municipal José Rodrigo de Freitas, conhecido como 'rei dos fiscais', na chamada Máfia do ISS.

A defesa do reitor da Uninove e do vice é feita pelo advogado Nelson Henrique Calandra, desembargador aposentado do Tribunal de Justiça do Estado. Calandra presidiu a Associação Paulista de Magistrados (Apamagis), principal entidade da classe. Inicialmente, o defensor de Storópoli era o criminalista Pierpaolo Cruz Bottini.

A análise do caso se dá quatro dias após o Ministério Público de São Paulo apresentar nova denúncia no caso, imputando a Eduardo Storópoli, reitor da Universidade Nove de Julho (Uninove), ao ex-fiscal José Rodrigo de Freitas, conhecido como 'rei dos fiscais', e outros sete auditores e ex-auditores crimes de corrupção ligados a uma suposta propina de R$ 4 milhões que teria sido paga entre 2009 a 2012 para 'garantir' a imunidade tributária da instituição de ensino.

A sentença de 1º grau questionada pela defesa de Storópoli e Malva foi dada em 2019, sendo que o Ministério Público também chegou a recorrer da mesma, para convalidar as cláusulas do acordo de colaboração premiada fechado pela dupla e que haviam sido afastadas por tal despacho. Agora, no entanto, a Promotoria requer o rompimento do acordo de delação, 'por culpa exclusiva dos sentenciados'.

Em parecer enviado em março à Justiça paulista, os promotores apontaram 'conduta processual desleal e ilegal' de Storópoli. Segundo eles, o reitor da Uninove e Malva apresentaram pareceres jurídicos 'cujos teores, além de impertinentes, contrariam o acordado em sede de colaboração premiada'. "O abandono da postura colaborativa dos sentenciados ensejou a renúncia dos então defensores", relata ainda a promotoria.

Em tal aditamento, Storópoli e Malva pediram o reconhecimento da atipicidade do crime de corrupção no caso, ou, caso tal solicitação não fosse atendida, o reconhecimento da prescrição retroativa de ambos os crimes pelos quais foram condenados. Em outras palavras, a defesa busca a derrubar a sentença condenatória dada em 2019.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;