Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 26 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

IPCA para 2021 sobe de 8,69% para 8,96%, prevê Focus



25/10/2021 | 09:18


Após as manobras propostas pelo governo no teto de gastos para bancar o aumento do Bolsa Família a R$ 400, a projeção do mercado financeiro para a inflação em 2021 e 2022 piorou significativamente e também já começaram a aparecer sinais de desancoragem mais ampla, com as estimativas para 2023 e 2024 também superando o centro das metas estabelecidas.

A estimativa mediana para 2022 saltou 0,27 ponto porcentual, de 8,69% para 8,96%, a 29ª alta consecutiva, conforme o Relatório Focus, cada vez mais distante do teto da meta (5,25%) a ser perseguida pelo Banco Central (BC). Há um mês, estava em 8,45%. A projeção para o índice em 2022, foco do BC, também continuou subindo, de 4,18% para 4,40%, 14º aumento seguido. Quatro semanas atrás, estava em 4,12%.

Considerando as 104 respostas nos últimos cinco dias úteis, a projeção para o IPCA de 2021 passou de 8,79% para 9,05%, indicando que a tendência é de alta. Para 2022, também foram feitas 104 atualizações nos últimos cinco dias, com a estimativa variando de 4,22% para 4,50% - mais próximo do teto da meta (5,00%) do que do centro (3,50%).

O relatório Focus trouxe ainda nesta segunda-feira, 25, a expectativa para o IPCA em 2023, que subiu de 3,25% para 3,27%. No caso de 2024, a previsão passou de 3,00% para 3,02%. Há quatro semanas, essas projeções eram de 3,25% e 3,00%, respectivamente.

A meta para 2023 é de inflação de 3,25%, com margem de 1,5 ponto (de 1,75% a 4,75%). Já para 2024 o objetivo é de 3,00%, com margem de 1,5 ponto (de 1,5% para 4,5%).

Outros meses

Os economistas do mercado financeiro alteraram a previsão para o IPCA em outubro de 2021, de alta de 0,61% para 0,79%, conforme o Relatório de Mercado Focus. Um mês antes, o porcentual projetado era de 0,53%.

Para novembro, a projeção no Focus passou de alta de 0,41% para 0,51%, enquanto, para dezembro, a estimativa subiu de 0,60% para 0,64%. Há um mês, os porcentuais indicavam elevações de 0,40% e 0,60%, nesta ordem.

A inflação suavizada para os próximos 12 meses passou de alta de 4,55% para 4,90% de uma semana para outra - há um mês, estava em 4,83%.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;