Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 3 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Reinaugurada, a icônica galeria Samaritaine impulsiona a reabertura de Paris



24/10/2021 | 15:40


Ao perguntarmos aos parisienses o que existe de novo no cenário do varejo de moda, hotelaria e gastronomia na cidade, a resposta é unânime: a reabertura da Samaritaine. No coração de Paris, ela é uma joia arquitetônica e sua história riquíssima e dimensões majestosas fazem seu retorno triunfal.

A Samaritaine é uma das grandes galerias da Cidade Luz, um espaço que nasceu em 1870 da visão empreendedora do casal Ernest e Marie-Louise Cognacq e que conta com localização privilegiada, às margens do Sena e ao lado da Pont-Neuf, a ponte mais antiga da cidade. A vantagem geográfica brilhou nos olhos do casal e trouxe um diferencial imbatível que fez com que a Samaritaine se tornasse rapidamente um must-visit na cidade e ganhasse o coração dos franceses.

O que começou como uma pequena loja no final do século 19 cresceu e tomou forma, inicialmente em um prédio Art Nouveau, projetado com volumes ambiciosos e uma estrutura de metal marcante, adornada pelas formas orgânicas que são características do estilo, obra de Frantz Jourdain que foi inaugurada em 1910.

Logo, o espaço precisou ser ampliado e aí nasce uma das características mais intrigantes da Samaritaine: ao lado do primeiro prédio, uma nova estrutura foi erguida em 1928 com projeto de Henri Sauvage. Mas, dessa vez, o estilo escolhido foi outro, o Art Déco, visivelmente mais geométrico e alongado do que o anterior.

Juntos, os edifícios se contrastam em perfeita harmonia, fazendo do espaço um destino imerso em uma dimensão artística única que acolhe o maior mural de pintura Art Nouveau do mundo.

A galeria prosperou e viveu anos de glória no século 20. Em 2005 foi fechada e este ano voltou a abrir suas portas, completamente atualizada, respeitando a história, mas pronta para o futuro - uma estratégia certeira do grupo LVMH, um dos maiores conglomerados de luxo do mundo, liderado pelo francês Bernard Arnault. A renovação da Samaritaine levou 16 anos.

Afinal, são 20 mil metros quadrados em um projeto que incluiu a construção do primeiro hotel urbano do luxuoso Cheval Blanc e a instalação de uma nova fachada, na Rua Rivoli, com ondas de vidro que trazem modernidade e fluidez, idealizada pelo celebrado escritório de arquitetura japonês Sanaa.

Além disso, a renovação e a restauração de toda a estrutura Art Deco e Art Nouveau é uma reverência ao estilo francês. A reabertura são recente, do final de junho deste ano, mas as mudanças que a empreitada traz já são palpáveis para a região. Com a Samaritaine, o centro de Paris ganha 3 mil novos empregos e os franceses voltam a circular para almoços e jantares na nova cena gastronômica da região.

O espaço possui sete pisos dedicados a moda, beleza e gastronomia, além de um deles contar com um spa de 400 metros quadrados. São doze restaurantes, com cozinhas que incluem a patisserie francesa, passando por sushi, gastronomia italiana e caviar. É um lugar para turistas, mas também para os franceses que falam com nostalgia de suas memórias no local e agora voltam a frequentar seus espaços. Tudo é banhado pela luz do Sol que entra na galeria pelo imenso teto de vidro e metal e ilumina um novo caminho para a vida em Paris.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;