Fechar
Publicidade

Sábado, 4 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Alta na inflação não tira voto de Lula no Nordeste, diz Maílson



24/10/2021 | 14:15


Conhecedor do jeitão do nordestino, afinal sua terra natal é a Paraíba, o ex-ministro da Fazenda e sócio da Tendências Consultoria Integrada, Mailson da Nóbrega, assegura que o presidente Jair Bolsonaro não conseguirá tirar votos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Nordeste se a inflação continuar alta, mesmo se que se confirme o aumento do Bolsa Família.

Em conversa com o Broadcast, o paraibano nascido em Cruz do Espírito Santo, disse entender que todo o esforço do governo Bolsonaro para turbinar o Bolsa Família, agora rebatizado de Auxílio Brasil, é para melhor se posicionar no Nordeste, onde Lula é muito forte, e garimpar votos no reduto do petista.

Mas isso não vai acontecer, segundo o ex-ministro, porque, na avaliação dele, para o eleitor de baixa renda, cuja maioria concentra-se no Nordeste, o aumento do auxílio não compensa o elevado nível de inflação.

Segundo Maílson, as pessoas no Nordeste, especialmente as das classes mais baixas, têm uma relação e uma admiração pelo Lula e pela sua trajetória de vida que beira a religiosidade.

"O nordestino vê o Lula como um deles. O Lula tem uma história parecida com a de muitos nordestinos", disse Mailson.

E o que o governo Bolsonaro está fazendo, pressionado pelos baixíssimos índices de aprovação popular, segundo o ex-ministro, só está contribuindo para gerar incertezas que levam a mais desvalorização cambial, repasse da alta do dólar para os preços e um contra-ataque do Banco Central (BC) com mais aperto monetário.

Com mais restrição monetária, de acordo com Maílson, o crescimento da economia tende a ser ainda menor e os empregos tão necessários para a retomada econômica tendem a ficar para um segundo momento.

"Sempre que visito a minha terra me transformo em um pesquisador informal. Converso com motorista de táxi e aplicativo, com garçom, com o balconista na padaria e todos eles falam do Lula como se ele fosse um Deus. É uma coisa quase que religiosa", disse o economista.

A avaliação do ex-ministro é a de que, se Bolsonaro quer ganhar votos no Nordeste, deveria articular com o Congresso, com os presidentes das duas casas legislativas, mostrar a importância do Auxílio Brasil e convencê-los a doar mais para assistir os menos favorecidos. Fazer o contrário do que vem sinalizando que fará porque, ao retirar a âncora fiscal, o teto de gastos, o governo só gera mais incertezas e desalinhamento das expectativas.

"O governo deveria articular com o Congresso para cortar gastos. Por que não articular com o Congresso para cortar emendas do relator? Por que não focam em doar parte do fundo eleitoral?", questionou Mailson.

Em 2021, conforme apurou o Estadão em julho, "as emendas de relator aumentaram o volume de emendas parlamentares de R$ 17 bilhões para R$ 33,8 bilhões, após os vetos presidenciais". Ou seja, só as emendas de relator superam os R$ 30 bilhões que levarão ao furo do reto de gastos.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;