Fechar
Publicidade

Sábado, 4 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Pfizer defende eficácia de vacina infantil; no Brasil, há mais desafios



23/10/2021 | 18:45


A farmacêutica americana Pfizer afirmou ontem que sua vacina contra covid-19 é 90,7% eficaz em crianças entre 5 e 11 anos, o que abre margem para aplicação nesse público nos EUA. Atualmente, o imunizante da marca é o único aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para adolescentes de 12 a 17 anos no Brasil. Especialistas ouvidos pelo Estadão apontam que, caso a aplicação entre crianças eja aprovada pela FDA, agência reguladora dos Estados Unidos, são boas as chances de que a Anvisa siga um caminho similar no Brasil.

Um grupo de conselheiros externos da FDA está marcado para se encontrar na próxima terça-feira, e votar se a agência deve ou não autorizar o uso do imunizante em crianças de 5 a 11 anos. A publicação do resultado e a revisão das evidências submetidas pela Pfizer está prevista para a sexta-feira seguinte. Segundo os documentos entregues pela farmacêutica, os eventos adversos registrados nas crianças não sugeriram nenhuma preocupação sobre a segurança do imunizante nesse grupo. Antes, a empresa já havia afirmado que o perfil de segurança no público infantil é comparável ao de jovens entre os 16 e 25 anos.

No Brasil

Mesmo com o futuro aval, o País precisará encarar alguns desafios para que este público seja incluído no Programa Nacional de Imunização (PNI), algo que preveem apenas para o próximo ano. José Cássio de Moraes, doutor em Saúde Pública e professor da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (FCMSCSP), explica que a Anvisa costuma levar em consideração as decisões da FDA. Porém, ainda é necessário que a Pfizer faça a solicitação formal e entregue os documentos à agência brasileira para que a bula da vacina seja alterada.

"A gente já sabia desse estudo EM CRIANÇASe a perspectiva que tínhamos é de que realmente funcionaria, porque esse público responde melhor às vacinas do que a população mais velha", aponta ele. "Acho que facilita muito e pesa o fato de já ter sido aprovada por outra agência reguladora de respaldo", completa Denise Garrett, vice-presidente do Instituto Sabin de Vacina, que observa que os critérios do órgão estadunidense são tão rigorosos quanto os do brasileiro.

Ambos também concordam que a vacinação contra a covid em crianças é essencial, principalmente para diminuir as taxas de transmissão do vírus no País. Apesar de a mortalidade neste grupo ser menor em comparação aos adultos e idosos, o Brasil é o vice-campeão mundial de óbitos infantis pelo coronavírus, atrás apenas do Peru. "Apesar de o porcentual dos óbitos entre 5 e 11 anos ser pequeno, com o total geral de mortes chegando a mais de 600 mil no Brasil isso já pode significar algo considerável. É um risco menor, mas existe", observa Cássio.

Denise também aponta que as novas variantes, como a Delta, desempenham um papel fundamental na infecção desse grupo, uma vez que elas se adaptam para encontrar as pessoas mais "vulneráveis" ao vírus. "Embora a doença não se manifeste de maneira tão severa em crianças, temos dois fatores: elas também desempenham um papel muito importante na cadeia de transmissão; e, mesmo que tenham um desempenho melhor com a infecção, uma morte infantil é algo muito sério", explica. "Quando o denominador é uma criança, a coisa muda de figura."

Logística

Como a Pfizer é, por enquanto, o único imunizante aprovado no Brasil para a faixa etária dos 12 aos 17 anos, a inclusão de um novo público que receba exclusivamente essa vacina pode complicar ainda mais o PNI para o coronavírus. Cássio defende que sejam definidas prioridades na distribuição da vacina: primeiramente, diminuir o intervalo entre as doses de reforço, de seis para quatro meses, e terminar de aplicá-las nos públicos mais vulneráveis, como idosos e imunossuprimidos; em seguida, atender as pessoas que tomaram a primeira dose da Pfizer, para que completem o esquema vacinal; depois, adolescentes de 12 a 17 anos; e, por fim, as crianças.

Outro ponto a ser considerado é que a dose utilizada em crianças equivale a um terço da dosagem dos adultos. Nos EUA, a empresa já tem estudado desenvolver um novo frasco, com cor e tampa diferentes, para evitar o desperdício e garantir que a aplicação seja de acordo com o necessário para o público infantil. "Talvez o governo brasileiro precise de uma nova negociação ou até adote uma diluição." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;