Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 29 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Arranjo luxuoso para composição de Mahler



23/10/2021 | 07:00


Paixão é a palavra que melhor define o concerto do Percorso Ensemble, às 11 horas deste sábado, 23, na Sala São Paulo. Paixão de um compositor pela obra de outro compositor, porque vão interpretar a Sinfonia nº 1 - Titã, de Gustav Mahler, em arranjo para 16 músicos realizado por Klaus Simon. E paixão de um punhado de notáveis músicos que, liderados pelo regente Ricardo Bologna desde 2005, se juntam sem nenhum tipo de subvenção pública ou patrocínio com o objetivo de fazer música nova, contemporânea.

Até o início do século passado, os arranjos, transcrições e reduções tinham uma função prática, utilitária. Concertos sinfônicos ou de grandes proporções eram raros. O frequentador de concertos só podia rememorar o que ouvira tocando reduções para piano ou pequenas formações. Com a invenção da reprodução fonográfica, foi-se a utilidade. Em compensação, veio uma aura de amor e paixão de músicos e compositores por obras de outros criadores musicais.

O pianista e maestro alemão Klaus Simon, 63, vem fazendo, dos arranjos e reduções, uma marca em sua carreira recheada de gravações, várias delas com a Holst Sinfonietta, que fundou e dirige. Foca, sobretudo, no período das décadas finais do século 19 e início do 20. Nessa época, dirigiu suas atenções para os arranjos realizados entre 1918 e 1921 por Arnold Schoenberg e seus parceiros na sua célebre Sociedade de Execuções Musicais Privadas. Arranjos de obras sinfônicas de Bruckner e Schoenberg, entre outros, passando por Mahler. Em 2007, Simon aventurou-se neste domínio, assinando reduções camerísticas para duas sinfonias de Mahler: a quarta, que o Percorso interpretou em concerto no Sesc Bom Retiro, em outubro de 2017, comemorando seus 15 anos de existência. E agora, para uma nova comemoração, a da volta aos concertos presenciais após longo jejum, o grupo escolheu a Sinfonia nº 1.

Embora não considere sacrilégio ou missão impossível tal tarefa, Simon admite que "a instrumentação única e as poderosas sonoridades" definem as sinfonias de Mahler. "Mas, quando a música é boa, funciona em formatos diferentes." Nisso ele concorda com Busoni, um dos devotos desta arte tão específica, para quem "a notação, a escrita das composições, é antes de tudo um engenhoso expediente para capturar uma inspiração com o propósito de explorá-la posteriormente". Busoni completa: "Mas a notação está para a inspiração assim como o retrato está para o modelo-vivo. Cabe ao intérprete resolver a rigidez dos signos e fazê-la retornar à emoção primitiva".

No caso da Sinfonia n.º 1 - de instrumentação grandiosa, prevendo mais de uma centena de músicos -, a tarefa é particularmente difícil. Simon relembra a Sociedade de Execuções Musicais Privadas, que Schoenberg idealizou e liderou entre 1918 e 1921 em Viena. Naquele momento Erwin Stein fez reduções de sinfonias de Mahler e de vários outros compositores. "A ideia de Schoenberg era examinar a essência dessas obras. Com o tempo, algo semelhante a uma orquestração padrão emergiu: flauta, clarinete, às vezes oboé, harmônio, piano, quarteto de cordas e contrabaixo. Senti falta da trompa e do fagote especialmente. Como a orquestração original desta sinfonia tem uma estrutura orquestral maior do que a quarta sinfonia, aqui meu arranjo é levemente mais luxuoso, com um clarinete/clarone, uma segunda trompa e um trompete em si bemol", conclui.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;