Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 29 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Mauaense desafia os limites em prova de ironman em Portugal

André Henriques/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Juan busca superação para tentar tempo abaixo de 5 horas em disputa com cerca de 2.500 competidores


Francisco Lacerda
Do Diário do Grande ABC

22/10/2021 | 22:10


O mauaense Juan Alves Teixeira, 35 anos, disputa amanhã o Ironman Portugal Cascais, tradicional prova do país europeu, com trecho inclusive dentro do autódromo de Estoril. Ironman é esporte composto por três modalidades, de diferentes distâncias. São 3,8 quilômetros de natação, 180 quilômetros de bicicleta e maratona de 42 quilômetros. Esse é o ápice do ironman. Juan participa do meio-ironman, que tem exatamente a metade de cada percurso.


De acordo com a Confederação Brasileira de Triatlo, a modalidade surgiu em 1974, em San Diego, nos Estados Unidos. Um clube de atletismo enviou aos seus atletas planilha de treinamentos com exercícios de natação e ciclismo para que usassem nas férias. A ‘lição de casa’ consistia em nadar 500 metros, pedalar 12 quilômetros e correr cinco quilômetros. Em outubro de 1977, um oficial da Marinha norte-americana sugeriu prova contendo as três modalidades, praticadas de forma sucessiva e sem intervalos. Quem as concluísse em menor tempo seria conhecido como ‘ironman’, ou ‘homem de ferro.


Surgia o ironman, no qual as modalidades são sempre nessa ordem, com duas transições, da natação para o ciclismo e deste para a corrida. É uma das provas mais difíceis do mundo, que testa o limite dos competidores, obrigando-os à superação. Chegou ao Brasil em 1981, mas a primeira competição oficial ocorreu somente em 1983, no Rio de Janeiro.


Há seis anos praticante, o mauaense Juan, funcionário da Braskem há 18 anos e natural e morador da cidade desde sempre, revela que no primeiro ano levou o esporte na base do ‘oba-oba’, mas que há quatro anos, determinado, aprendeu a ser regrado e viu na mudança a evolução da modalidade em seu dia a dia. Considerava-se magro, mas nenhum pouco preparado. Dedicou-se e, hoje, ansioso, põe à prova, já pela quarta vez, os seus limites. “É distância boa, prova exaustiva, cinco, seis horas de prova.” Antes havia participado no Rio de Janeiro, Florianópolis e São Paulo, na qual fez o seu melhor tempo até hoje, de 4h57min58. Em janeiro deve fazer o quinto, porque, em maio, pretende participar do ironman full, o auge do triatlo. “Já conversei com meu treinador, porque realmente é algo bem desafiador.” Também já fez mais de 100 corridas.


Disposto, Juan treina todos os dias, duas modalidades diárias, e ainda acrescenta musculação e fisioterapia. No fim de semana faz “treinos longos”, nada, pedala e corre. Para isso utiliza as estruturas do Aramaçan, em Santo André, para a “parte fechada”. A “aberta”, em Paranapiacaba, Estrada Velha de Santos e em cidades do Interior, como Itu, Araçariguama e Santa Branca, além da Estrada Rio-Santos. “Meu treino de sábado começa na sexta-feira na hora do almoço, porque tem de comer direito, dormir cedo, porque no sábado de manhã o corpo vai ter de ir no limite.”


A dosagem durante as disputas Juan ensina que conta com a tecnologia – relógio com fita cardíaca, sensores de cadência e de potência são alguns dos itens –, sem, no entanto, desprezar o autoconhecimento. “Uso equipamentos de medição e também a percepção do próprio corpo. Defino com o treinador, se mais forte no pedal porque na corrida vou trabalhar um pouco mais fraco. A gente tem zonas de treinamento, um dois, três, quatro e cinco. E para mim o aceitável é trabalhar em zona três. Acho meu ‘confortável’ na prova. Daí vou dosando. Da metade para o fim vou para o limite.”


Apoio financeiro, acrescenta, não há, tem de bancar seu ‘esporte’, que considera hobby. A inscrição para Portugal ele pagou R$ 1.500, sem reclamar. “Muito gostoso, apaixonante. Qualquer roupa é R$ 500. Mas hoje consigo competir e viajar ao mesmo tempo, e isso é muito prazeroso.”


Isso sem contar as duas bicicletas, tratadas como estrelas e às quais prefere não revelar o valor. Uma, a Suift Ultravox, é de estrada, a outra, Specializad, de prova contra o relógio. Apelidou-as de ‘Ranuca’ em homenagem às sobrinhas Rafaela, 10 anos, e Manuela, 6.


Na prova haverá 12 brasileiros na multidão de cerca de 2.500 participantes. “Vou competir no melhor que puder, fazer força o quanto der, o quanto as pernas aguentarem. Para atleta amador, fazer abaixo de cinco horas é algo muito bom.”


Apesar de esporte caro, no qual se gasta bastante, e tudo bancado por ele mesmo, a retribuição não vem em forma de prêmio, o que, para Juan, não importa. “Virou meu estilo de vida e a recompensa é o prazer de competir. E isso já basta”, finaliza. 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;