Fechar
Publicidade

Domingo, 5 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

MP-SP denuncia por propinas de R$ 4 mi reitor da Uninove e ex-auditores do ISS



22/10/2021 | 19:44


O Ministério Público de São Paulo apresentou nesta sexta-feira, 22, uma nova denúncia no caso da Máfia dos Fiscais do ISS, imputando a Eduardo Storópoli, reitor da Universidade Nove de Julho (Uninove), ao ex-fiscal José Rodrigo de Freitas, conhecido como ''rei dos fiscais'', e outros sete auditores e ex-auditores crimes de corrupção ligados a uma suposta propina de R$ 4 milhões que teria sido paga entre 2009 a 2012 para ''garantir'' a imunidade tributária da instituição de ensino.

Além de Storópoli e do ''rei dos fiscais'', a denúncia atinge ainda o ex-auditor (demitido) Ronilson Bezerra Rodrigues; os auditores aposentados Leonardo Leal Dias da Silva, Solange de Paula Reis, Breno Nonato Christol; e os fiscais Regina Célia Camara Nunes, Felipe Lois Affini e Douglas Amato.

A Promotoria requer não só a condenação dos denunciados, mas também a devolução dos valores que teriam sido pagos à título de propina e ordem de perdimento de bens dos nove investigados, no montante de R$ 556.639.297,14, em razão do dano ao erário.

A peça apresentada à 5ª Vara Criminal de São Paulo é assinada por quatro promotores que integram o Grupo Especial de Repressão a Delitos Econômicos - Roberto Victor Anelli Bodini, Rodrigo Mansour Magalhães da Silveira, Luís Claudio de Carvalho Valente e Marcelo Batlouni Mendroni.

Storópoli e Freitas já foram condenados no âmbito da investigação sobre a Máfia do ISS. Em 2019, eles foram sentenciados, em 1º grau, em razão de uma propina de R$ 1,6 milhão que foi paga por meio de cheques emitidos pela Uninove e justificados contabilmente pela emissão de notas fiscais frias, segundo a promotoria.

Na nova denúncia, o Ministério Público de São Paulo relata que a versão apresentada por Storópoli, em depoimento aos promotores, sobre os fatos investigados no caso da Máfia do ISS estava incompleta. Segundo o MP, relatório de análise criminal indicou que os valores pagos ao rei dos fiscais seria maior do que o reitor da instituição de ensino mencionou às autoridades.

Ao longo das investigações, os promotores questionaram Storópoli sobre os pagamentos em valor superior ao inicialmente declarados, tendo o reitor optado por fechar acordo de colaboração premiada em que confessou que, além dos pagamentos em cheques já apurados, ofereceu e pagou propina de R$ 4 milhões entregues, entre 2009 e 2012, ao ex-auditor José Rodrigo de Freitas e ao auditor aposentado Leonardo Leal Dias da Silva.

No entanto, a promotoria aponta que a dupla não poderia, sozinha, ''dominar o desfecho criminoso da manutenção da imunidade tributária'' da Uninove sem a participação dos outros auditores denunciados. "É certo que referidos agentes públicos, ao menos no ano de 2012, aderiram à conduta de José Rodrigo e Leonardo Leal, restando inequívoco o conluio de todos para o desfecho do processo administrativo sob n.º 2012-0.106.100-0", registra a denúncia apresentada pelo MP.

Segundo os promotores os auditores e ex-auditores ''previamente combinados e agindo em concurso com José Rodrigo de Freitas e principalmente Leonardo Leal solicitaram e receberam, para si e outrem, diretamente e indiretamente, em razão da função pública que exerciam, vantagens indevidas ofertadas e pagas pelos representantes da Uninove, para a análise célere, e manutenção e reconhecimento da imunidade tributária da instituição de ensino junto ao Município de São Paulo, referente aos anos fiscais 2009/2012''.

COM A PALAVRA, OS DENUNCIADOS

Até a publicação desta matéria, a reportagem buscou contato com os denunciados, mas sem sucesso. O espaço permanece aberto a manifestações.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;