Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 26 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Suprema Corte dos EUA revisará lei de aborto do Texas em 1º de novembro

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Mas se recusa a bloquear a norma enquanto isso; prática havia sido legalizada em 1973



22/10/2021 | 17:30


A Suprema Corte dos Estados Unidos decidiu nesta sexta-feira, 22, ouvir em 1º de novembro as contestações à lei do aborto do Texas, e se recusou a bloquear a norma enquanto isso. A legislação, que entrou em vigor no início de setembro, é a mais restritiva aprovada nos EUA desde a legalização do aborto, em 1973.

O governo de Joe Biden e as clínicas de aborto pediram ao alto tribunal que revogasse a lei que proíbe a interrupção da gravidez depois das seis semanas de gestação, antes que a maioria das mulheres saibam que estão grávidas. O Departamento da Justiça e as outras partes envolvidas no caso têm até 27 de outubro para apresentarem os resumos das alegações que pronunciarão em 1º de novembro.

No julgamento desta sexta-feira, apenas a juíza Sonia Sotomayor apresentou uma dissidência. "Pela segunda vez, o tribunal é apresentado com um pedido para ordenar uma lei promulgada em abertamente desrespeito aos direitos constitucionais das mulheres que procuram atendimento ao aborto no Texas", escreveu ela. "Pela segunda vez, o tribunal se recusa a agir imediatamente para proteger essas mulheres de danos graves e irreparáveis."

Mas ela acrescentou que saudou a decisão do tribunal de ouvir os argumentos nos dois casos, que aparentemente se limitarão à questão processual de se a lei do Texas está sujeita à revisão em tribunal federal devido à sua nova estrutura.

O governo e as clínicas de aborto afirmam que a lei do Texas viola a decisão histórica da Suprema Corte no caso Roe versus Wade de 1973, que estabeleceu o direito ao aborto. O tribunal rejeitou o pedido do Texas para usar o caso para decidir se anulava a decisão histórica.

Essa questão já está perante o tribunal em um caso que desafia uma lei do Mississippi que proíbe a maioria dos abortos após 15 semanas. Roe versus Wade e outros precedentes da Suprema Corte proíbem os Estados de vetar o aborto antes da viabilidade fetal, o ponto em que os fetos podem sustentar a vida fora do útero, ou cerca de 22 a 24 semanas de gravidez. O caso do Mississippi será discutido em 1º de dezembro, um mês após o caso do Texas.

A lei do Texas não prevê exceções para gestações causadas por incesto ou estupro - a única brecha é quando a saúde da gestante está em risco, mas ainda assim é exigida uma prova escrita de um médico atestando o problema. A norma também permite que qualquer pessoa do país, conhecendo ou não a mulher, processe os que a ajudem no procedimento depois do prazo legal.

Como leva várias semanas antes que a gravidez seja detectável em um teste de urina padrão, pode restar às mulheres apenas uma janela de uma ou duas semanas para decidir pelo aborto antes de serem proibidas sob a lei do Texas. Cerca de 85% a 90% das interrupções acontecem após seis semanas de gravidez.

A nova lei antiaborto do Texas, que teve seu bloqueio recusado pela Suprema Corte dos EUA em agosto, basicamente proíbe o aborto no Estado. A nova medida pode pavimentar o caminho para outros Estados adotarem leis semelhantes, já que a forma com que ela foi formulada levanta questões sobre se a legislação pode ser contestada ou não. (Com agências internacionais)



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;