Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 30 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Correção: Ex-lateral Evra revela ter sido vítima de abuso sexual na infância



22/10/2021 | 17:00


A nota enviada anteriormente contém erros no título e no primeiro parágrafo. Patrice Evra era lateral-esquerdo e não zagueiro. Segue a versão corrigida:

O ex-lateral-esquerdo Patrice Evra, da seleção francesa e que fez história no Manchester United, revelou em entrevista ao jornal The Times, nesta sexta-feira, que sofreu abuso sexual de um professor quando tinha somente 13 anos. O fato é detalhado na autobiografia de Evra, "I Love This Game."

"Tive vergonha de admitir que fui abusado sexualmente, mas não quero que outras crianças se sintam assim", disse, ao jornal. Atualmente com 40 anos, o ex-defensor revelou que, embora fosse bastante complicado falar sobre o caso em uma entrevista, foi ainda mais desafiador revelar os abusos sexuais para sua mãe, informada dos incidentes apenas há duas semanas em uma viagem para a França.

"Claro, ela ficou arrasada, foi um momento difícil para mim. Ainda tenho que contar a alguns de meus irmãos, irmãs e amigos íntimos", informou. "Não quero que as pessoas sintam pena, é uma situação difícil. Uma mãe não espera ouvir isso de seu próprio filho. Ela percebeu se algo estava errado e me perguntou por que eu não queria dormir na casa do professor. Só agora que eu tenho 40 anos é que eu disse a ela."

Evra revelou que a mãe ficou extremamente furiosa ao saber do ocorrido. "Foi um grande choque para ela, ficou com muita raiva", afirmou. "Ela disse que sentia muito e falou: 'você não deve colocar isso no seu livro, é particular, Patrice', mas é quando eu digo 'mãe, não é sobre mim, é sobre outras crianças', então ela disse ok, ela entendeu."

O francês não havia pensado em apresentar formalmente as acusações, mas sua mãe o encorajou a processar o autor do crime. O professor, de acordo com o francês, o tocou achando que ele dormia e, apesar de empurrá-lo para longe e ameaçar reagir com agressão, evitou revelar o caso por "vergonha".

"Foi difícil, mas também fiquei com medo, embora não pudesse mostrar a ele que o temia. Durou 10 ou 15 minutos, como uma luta. Ele não brincou e fez de tudo para tirar minhas calças", trará uma parte do livro.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;