Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 8 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Solução não altera fundamentos fiscais da economia brasileira, diz Guedes



22/10/2021 | 16:34


O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que a solução fiscal encontrada para bancar o aumento do Bolsa Família a R$ 400 não altera os fundamentos fiscais da economia brasileira, que são sólidos. Segundo ele, a mudança da regra do teto de gastos, incluída na PEC dos precatórios, é tecnicamente defensável, embora acusem de ser politicamente oportunista. "Nós perdemos com a alta da inflação R$ 30 a R$ 40 bilhões por falta de sincronicidade da regra. Perdemos R$ 30 a R$ 40 bilhões que eram nossos. Fazendo atualização, não é despesa adicional, não. Gasta um pouco mais agora e menos no ano seguinte."

Segundo Guedes, não há antítese entre liberalismo e amparo social e foi preferido um ajuste fiscal menos intenso e "um abraço" no social mais longo. "As finanças não foram abaladas. Não estou preocupado se foi extrateto ou levantamento do teto."

Guedes ainda disse que a PEC dos precatórios não é eleitoreira, uma vez que cria uma trajetória com previsibilidade dos gastos que venham do setor judiciários, evitando o "meteoro" descoberto este ano para o pagamentos dessas despesas no ano que vem. "Toda trajetória futura (dos precatórios) está equacionada."

O ministro também afirmou que foi mal interpretado quando falou em "licença para gastar um pouco mais" para bancar o aumento do Bolsa Família de R$ 400 já que a reforma do Imposto de Renda não andou no Senado, o que seria a solução técnica adequada, segundo ele. "Poderia ser feito nas regras atuais apenas dizendo que preciso de licença de R$ 30 bi. A economia brasileira é forte o suficiente para segurar isso. Eu seguro isso, posso tirar 8 ou 7 em fiscal. Ninguém fez o que fizemos, nenhum governo saiu gastando menos do que entrou."

Comportamento natural

Mesmo após o presidente Jair Bolsonaro deixar o Ministério da Economia após o pronunciamento ao lado de Guedes nesta sexta, o ministro continuou a defender o acerto político para se chegar a um Auxílio Brasil de R$ 400 em 2022. Ele lembrou que a arrecadação federal tem batido recordes sucessivos a cada mês, o que tornaria natural a busca de mais recursos para programas do governo.

"É natural que política queira furar o teto e gastar mais. Quero assegurar que estamos de olho nesses limites. O auxílio de R$ 400 não é uma falta de compromisso, é coisa muito ponderada. A ala política estava pedindo muito mais, estava pedindo R$ 600", argumentou Guedes.

Mais uma vez, o ministro salientou que o governo Bolsonaro é um governo popular, e não populista. "Se o presidente fosse populista, teria pedido R$ 600 para o auxílio. O presidente sempre me apoiou nas horas decisivas e agora pediu um apoio", completou.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;