Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 26 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

'Toda notícia tem informação sinal e barulho', afirma Guedes



22/10/2021 | 15:59


O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que "toda notícia tem informação sinal e barulho", em declaração ao lado do presidente da República, Jair Bolsonaro, após rumores de que deixaria a pasta devido às manobras no teto de gastos para bancar o aumento do Bolsa Família a R$ 400. Antes, Bolsonaro disse que tem "confiança absoluta" no ministro.

Guedes ainda tentou justificar as decisões em torno do Bolsa Família e da flexibilização do teto.

O ministro afirmou que estava tentando fazer o Bolsa Família dentro do teto e com a reforma do Imposto de Renda como ponte, além da PEC dos precatórios.

Ele citou que a "solução técnica" não funcionou, já que a reforma do Imposto de Renda não andou no Senado e é necessário o amparo aos mais vulneráveis diante do aumento da inflação. Por isso, vai ser necessário "gastar mais". "Criou-se um barulho enquanto eu estava lá fora para representar o Brasil. Brasil tem tudo para retomar o crescimento, vai crescer bem mais que previsões para 2022. A política começou a sacudir, e o dinheiro dos mais frágeis? Começa uma aparente briga entre ala política e econômica. Dificuldade e mérito de um bom presidente é saber pesar as duas coisas política e economia."

Teto de gastos é 'um símbolo'

O ministro da Economia disse ainda que o teto de gastos é "um símbolo", mas que não pode deixar ninguém passar fome para "tirar 10 no fiscal". "A solução de R$ 600 era nota 4 na economia, fura teto. A solução de R$ 300 estava nota 10 na técnica, mas 5 na política."

Segundo o ministro, faltou tolerância com a equipe econômica que tenta conciliar a solução técnica fiscal com o amparo aos mais vulneráveis.

O ministro citou que o aumento do Bolsa Família a R$ 400 é compreensível e não será questionado em momento em que há aumento de preço de comida e gás.

Caminhoneiros

Ele também minimizou o gasto a mais para atender os caminhoneiros, que vem sofrendo com a alta de combustíveis. "Estamos falando de pouco mais de R$ 3 bilhões para ajudar caminhoneiros. O Brasil roda em cima do modal rodoviário, é subsidiar quem carrega a comida."



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;