Fechar
Publicidade

Sábado, 4 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

dmais@dgabc.com.br | 4435-8396

Paixão por Clássicos

Teens descobrem escritoras e obras do século 19 e se
surpreendem com leitura que não tem nada de entediante


Caroline Ropero
Especial para o Diário

27/05/2012 | 07:00


Stephenie Meyer já fez a alegria de muita gente. Escreveu saga teen sobre vampiros, ajudou Robert Pattinson (que tinha atuado como coadjuvante em Harry Potter e o Cálice de Fogo) a se tornar fenômeno e incentivou a leitura de um clássico. Como? É que o livro preferido de Edward e Bella é O Morro dos Ventos Uivantes, da britânica Emily Brontë, publicado originalmente em 1847. E claro que os crepusculomaníacos ficaram curiosos para conferi-lo.

Foi o que aconteceu com Michelle Cristofoli, 14 anos, de Santo André. Após ler a obra, emprestou para as amigas Natália Corrêa, 13, e Gabrielle Poltronieri, 13, que se apaixonaram pelo romance entre os protagonistas Cathy e Heathcliff. "É mais bonito do que as histórias de hoje", diz Gabrielle.

A amiga Bárbara Nicolau, 13, concorda: "Não falam sobre ficar, mas de amar alguém de verdade e para sempre". A garota também leu Orgulho e Preconceito, de Jane Austen, outra importante escritora britânica e antecessora de Emily Brontë. Alguns leitores conheceram o livro por meio do filme homônimo de 2005. Em 2013 a trama completa 200 anos, mas isso não a impede de conquistar jovens leitores.

Há quem faça cara feia ao ouvir falar sobre romances de séculos passados. Fato é que, apesar de antigos, não agradam somente as avós. Gabrielle, por exemplo, se surpreendeu com a leitura. "O cenário é muito bonito. Tem partes que lembram nossa realidade, como quando Cathy casa-se com Linton só para ser rica."

Além de arrancar suspiros, as obras enriquecem o conhecimento. "Aproximam o leitor de outro tempo e ampliam sua visão de mundo", explica Roberto Gonçalves Juliano, professor de Literatura do Cursinho da Poli. Por meio dos personagens, aprende-se História e diferentes tipos de linguagem. "Tive de procurar palavras no dicionário, mas não achei a narração difícil de entender", afirma Bárbara.

Essas leituras podem ainda dar uma força no preparo para o vestibular. Afinal, as provas cobram clássicos, como os de Machado de Assis (Dom Casmurro) e José de Alencar (Iracema). "Fica mais fácil de entender se já está acostumado a ler", acredita Natália, que não abandonou as publicações atuais.

 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;