Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 9 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

OMS pede sistemas de saúde fortalecidos e alerta sobre desigualdade vacinal

Divulgação/ Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


21/10/2021 | 12:04


A Organização Mundial de Saúde (OMS) destacou, em entrevista coletiva nesta quinta-feira, 21, a importância de se fortalecer os sistemas de saúde. O diretor-geral da entidade, Tedros Adhanom Ghebreyesus, ressaltou o papel vital dos sistemas como "primeira linha de defesa" contra surtos com potencial de epidemia ou pandemia, promovendo a saúde e reduzindo desigualdades.

A OMS publicou novo estudo, no qual estima que 115 mil trabalhadores do setor de saúde podem ter morrido de covid-19 entre janeiro de 2020 e maio deste ano. "É por isso que é crucial priorizar os trabalhadores de saúde na vacinação", argumentou Adhanom. Dados de 119 países mostram que, no momento, 40% dos profissionais de saúde e cuidadores estão vacinados, mas há muitas diferenças nesses números a depender da região. Na África, por exemplo, menos de 10% dos trabalhadores de saúde foram totalmente vacinados, enquanto em países ricos esse grupo representa quase 80% dos profissionais do setor.

Também presente na coletiva virtual, o embaixador da OMS para Financiamento à Saúde Global, Gordon Brown, destacou a importância de combater a desigualdade na distribuição de vacinas. Segundo ele, o G-20 pode ser um fórum para trabalhar nessa frente. A OMS tem insistido que a demora em distribuir vacinas contra a covid-19 a países mais pobres retarda a resolução da pandemia como um todo, também com impactos para a economia global.

Durante a coletiva, a OMS foi questionada sobre declarações recentes do presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, que reclamou de uma suposta demora por razões políticas na aprovação de algumas vacinas, como a russa Sputnik, usada no país latino-americano. Diretora-assistente da OMS, Mariangela Simão ressaltou que as diretrizes para esse processo estão publicadas no site da OMS e são seguidas por todos os fabricantes, sem distinção de origem. Ela comentou que o processo para a aprovação da Sputnik está em andamento, mas que os fabricantes ainda precisavam enviar alguns dados - e também deve haver algumas inspeções para que a OMS dê seu aval ao imunizante, disse.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;