Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 6 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Oposicionista russo Alexei Navalni recebe prêmio do Parlamento Europeu



20/10/2021 | 15:34


O principal nome de oposição ao governo de Vladimir Putin na Rússia, Alexei Navalni, recebeu o Prêmio Sakharov de Liberdade de Pensamento, concedido pelo Parlamento Europeu a defensores dos direitos humanos e da liberdade de expressão pelo mundo. O opositor está preso desde janeiro em uma prisão a cerca de 200 km de Moscou.

Em publicação no Twitter, o presidente do Parlamento, David Sassoli, afirmou que Navalni "lutou incansavelmente contra a corrupção do regime de Vladimir Putin", e que isso "custou a ele sua liberdade e quase custou sua vida".

"O prêmio de hoje reconhece sua imensa bravura e nós reiteramos nossos pedidos para sua libertação imediata", completou o eurodeputado. Além de Navalni, concorriam ao prêmio a ex-presidente da Bolívia, Jeanine Áñez (2019-2020), e um grupo de 11 mulheres ativistas afegãs que lutam pela igualdade e direitos humanos.

Concedido anualmente pelo Parlamento Europeu a partir de uma lista elaborada pelas comissões de Relações Exteriores e de Desenvolvimento da instituição, o Prêmio Sakharov é considerado uma das mais importantes honrarias no campo da defesa dos direitos humanos e da liberdade de expressão. Ela leva o nome de Andrei Sakharov, dissidente soviético e ganhador do Nobel da Paz em 1975.

Desde 1988 o Sakharov já premiou líderes mundiais, como o ex-presidente da África do Sul, Nelson Mandela, dissidentes como o cubano Guillermo Fariñas, a ex-candidata à Presidência da Bielorrússia, Svetlana Tikhanouskaya, e o chinês Hu Jia, além de artistas como o cineasta iraniano Jafar Panahi.

No ano passado, os responsáveis pela premiação suspenderam a homenagem concedida à ex-presidente de Mianmar, Aung San Suu Kyi, por conta do papel no massacre contra a minoria rohingia em seu país - hoje presa depois de um golpe militar, em fevereiro, ela defendeu publicamente as ações do governo e negou que um genocídio estivesse em curso em Mianmar.

Envenenamento e prisão

No caso de Navalni, a escolha era dada como certa nos bastidores: depois o envenenamento do líder opositor, em agosto do ano passado, e seu subsequente tratamento médico na Alemanha, o volume das críticas e acusações contra o Kremlin se intensificou no continente europeu.

Apesar das negativas oficiais, vários governos afirmaram que se tratou de uma tentativa aberta de assassinato contra o mais vocal dos críticos de Vladimir Putin, usando uma substância conhecida como Novichok, banida pela Organização para a Proibição de Armas Químicas. Essa mesma substância teria sido usada em outros ataques supostamente ligados à Rússia, como o atentado contra o ex-espião Sergei Skripal e sua filha, Yulia, em 2018, na cidade inglesa de Salisbury.

Mesmo diante da prisão iminente, Navalni decidiu retornar à Rússia em janeiro deste ano, sendo imediatamente detido por ter violado os termos da condicional relacionada a um caso de fraude, no qual foi condenado na década passada. Depois da detenção, foi enviado a uma prisão na região de Vladimir, a cerca de 200 km de Moscou, onde, segundo seus advogados, não teve acesso a tratamento médico e correu risco de ter suas pernas amputadas.

Depois de semanas, recebeu o tratamento adequado, mas no começo do mês passou a ser considerado "terrorista", e promotores de Moscou abriram um novo processo, agora o acusando de fundar e manter um grupo terrorista - em junho, um tribunal considerou que todos os grupos ligados a Navalni se enquadravam na classificação de "organizações extremistas", uma decisão que também teve consequências para seus aliados.

Desde então, a repressão contra assessores, aliados políticos e funcionárias foi intensificada pelas autoridades russas, chegando ao seu ápice nas semanas que antecederam as eleições legislativas de setembro. Candidatos pró-Navalni foram impedidos de concorrer e mesmo uma plataforma usada para promover o chamado "voto inteligente", a escolha de nomes contrários aos candidatos pró-Putin, foi tirada do ar.

Além do Sakharov, havia expectativa de que Navalni receberia o Nobel da Paz, que acabou concedido à jornalista filipina Maria Ressa e ao jornalista russo Dmitry Muratov - alguns aliados do opositor chegaram a criticar a decisão, afirmando que ele "merecia mais" do que os homenageados. Dias depois, o próprio Navalni usou seu Instagram para parabenizar os vencedores, e tentar colocar panos quentes sobre a polêmica. (COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS)



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;