Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 3 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

CPI retira acusações de genocídio e homicídio qualificado contra Bolsonaro



20/10/2021 | 10:56


O relator da CPI da Covid, Renan Calheiros (MDB-AL), confirmou que o relatório final, que será apresentado nesta quarta-feira, não contém mais a conclusão de que o presidente Jair Bolsonaro teria cometido os crimes de genocídio contra as populações indígenas e de homicídio qualificado. De acordo com o senador, restarão as sugestões de indiciamento contra o presidente por dez crimes.

Renan também afirmou que retirou o pedido de indiciamento contra o pastor Silas Malafaias. "Só foi retirado o nome dele", afirmou o parlamentar ao chegar ao Senado para a reunião em que o relatório será apresentado. Nas contas de Renan, 69 pessoas estarão na lista de sugestão de indiciamentos.

Segundo o relator, o crime de genocídio foi trocado por mais uma tipificação de crime contra a humanidade. "Foi trocado por mais um indiciamento de crimes contra a humanidade, na questão da Prevent Senior, de Manaus e agora também dos povos indígenas. O que foi retirado foi o crime de homicídio", disse o senador.

Reunião

O indiciamento do presidente pelos crimes de homicídio qualificado e genocídio contra as populações indígenas estava presente na minuta mais recente do relatório final preparado por Renan, mas os senadores do chamado "G-7" da CPI fecharam um acordo para remover os dois crimes durante uma reunião na noite desta terça-feira, 19.

O encontro foi no apartamento do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE). Conforme mostrou o Estadão, Bolsonaro ficou especialmente irritado com o indiciamento por homicídio qualificado - na reunião da noite desta terça, o tipo penal acabou removido por sugestão do senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE).

A reunião noturna na casa de Tasso Jereissati também terminou com a remoção de uma acusação contra o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), que é filho do presidente da República. Ele foi poupado da acusação de advocacia administrativa, por supostamente ter atuado a favor da empresa Precisa Medicamentos. No entanto, continuará sendo acusado de incitação ao crime por comandar a estrutura de propagação de notícias falsas, junto com o pai. A mesma acusação está mantida para os outros dois filhos do presidente com carreira política, Carlos e Eduardo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;