Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 3 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Alckmin cumpre agenda de pré-candidato em São Paulo

Reprodução/Instagram Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


20/10/2021 | 08:06


Sem confirmar sua candidatura ao Palácio dos Bandeirantes, o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin, isolado no PSDB, já cumpre agenda de pré-candidato e faz promessas de campanha. Ao participar de um evento nesta terça, 19, do Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios de São Paulo (Sindhosp), ele criticou projetos que aumentem a carga tributária, em uma crítica indireta à gestão do governador João Doria (PSDB), seu desafeto político.

"Uma coisa que não vou fazer é aumentar impostos", afirmou Alckmin, durante uma conversa com CEOs e presidentes de associações médicas. "Em plena pandemia, aumentar todos os impostos da Saúde não é algo razoável". No início do ano, Doria suspendeu mudanças no Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviço (ICMS) para alimentos e remédios após pressão do setor do agronegócio.

Alckmin, entretanto, evitou falar sobre sua saída do PSDB e também não revelou por qual legenda pretende lançar sua eventual candidatura no ano que vem. Questionado sobre o assunto, se esquivou: "Primeiro, tenho que ver se realmente serei candidato, para depois falar de partido".

O evento do qual Alckmin participou é o primeiro de uma série que receberá outros políticos apontados como principais nomes da corrida eleitoral pelo Estado em 2022. Nas próximas semanas, o Sindhosp receberá o petista Fernando Haddad e o atual vice de Doria, Rodrigo Garcia, para o mesmo debate. Segundo a associação, a proposta é apresentar aos políticos o documento Saúde São Paulo, que reúne dados sobre hospitais públicos e privados, o que pode auxiliar a próxima gestão.

No encontro de ontem, o ex-governador afirmou que seu foco, no momento, é percorrer o Estado para "sentir" a população e conversar com a sociedade civil. "Quem ouve mais, erra menos", disse.

Presente na plateia estava o médico e ex-deputado federal Eleuses Paiva, do PSD, partido que pode receber o ex-governador.

FILIAÇÃO

Alckmin articula filiação ao PSD para abrigar sua campanha, mas não descarta aderir ao projeto do União Brasil, partido fruto da fusão recente entre PSL e DEM. Como o Estadão publicou em julho, Alckmin já revelou a amigos e aliados que pretende deixar o PSDB, e articula uma palanque em São Paulo com ex-governador Márcio França (PSB), e o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, que é filiado ao MDB.

O ex-governador aparece à frente nas pesquisas para o governo de São Paulo. Na mais recente pesquisa Datafolha, ele lidera a disputa com 26% das intenções de voto, ante 17% de Haddad, e 15% de França. Alckmin comandou o Executivo paulista por quatro mandatos: pela primeira vez em 2001, quando o então governador Mário Covas, de quem era vice, morreu, e depois, quando venceu as eleições em 2002, 2010 e 2014. Em 2018, recebeu apenas 5% dos votos na eleição para presidente e, desde então, não ocupou mais cargos públicos.

O ex-governador Geraldo Alckmin, como revelou o Estadão em setembro, mantém uma rotina de conversas com líderes e políticos do PSDB do interior que seguem "oficialmente" na base do governador João Doria. A ideia de Alckmin é trazer para sua campanha os ''''tucanos raiz'''' .

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;