Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 29 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Um operário na Câmara


Ademir Medici
Do Diário do Grande ABC

20/10/2021 | 00:01


João Rodrigues

(São Caetano, 14-2-1945 – Santo André, 16-10-2021)

João Rodrigues Nunes trabalhou até o fim, braço direito do filho Rogers numa empresa de plásticos do bairro Capuava. Sábado último, como sempre fazia, ajudou o filho e almoçou com ele. Estava bem, feliz. Ao sentir certo incômodo, foi levado à UPA do bairro Bangu, onde um enfarte fulminante arrancou-lhe a vida.

Para a memóriapolítica da cidade, João deixa um legado importante: uma gravação para o Almanaque de Vereadores, livro nascido aqui em Memória em 1996 e que ganhou uma segunda edição em 2008.

O VEREADOR

João Rodrigues foi vereador em dois mandatos, entre 1989 e 1996, eleito pelo PT e depois filiado ao PDT. Sua carreira política pode ser sintetizada numa frase: “Eu era operário e, a princípio, imaginei que não me desse bem na Câmara. Aprendi muito, mantive meus princípios e os do meu partido. Encontrei espaço. Me sinto uma pessoa predestinada”.

Na Câmara Municipal de Santo André, atuou na área de defesa ambiental e presidiu por duas vezes a comissão de meio ambiente, saúde e educação. Participou do projeto que originou a Lei Orgânica Municipal. Em 1990 foi o primeiro secretário da Constituinte municipal. Ajudou a fundar o PT e filiou-se ao partido em 1982. 

O FILHO

O pai, José Rodrigues Nunes, ferreiro de profissão, era natural do bairro paulistano do Brás; a mãe, Mácula Pandolpho Nunes, nascida em São Caetano.

Em São Caetano, João Rodrigues cursou o primário no Grupo Escolar Senador Flaquer, do bairro Fundação. Fez o ginásio no Instituto de Ensino Senador Flaquer e o colegial no curso de Madureza Avanço.

João Rodrigues Nunes, são-caetanense, craque do futebol de salão, atirador do glorioso TG de São Caetano: em 1964, participou dos Jogos Abertos do Interior realizados pela primeira vez em sua cidade.

O TRABALHADOR

Mudou-se para Santo André, e para o bairro Capuava, ainda na década de 1960. Trabalhou na programação de produção da Cofap. Foi empregado da Philips, Brasilit e Isopor. Era filiado ao Sindicato da Construção Civil de São Caetano. 

A FAMÍLIA

Casado com Alice Teixeira Nunes, João Rodrigues teve dois filhos: Sara (f) e Rogers. Morou até o fim em Capuava. Ele deixa os netos Davi Victor, Daniel, Lucas, Jéssica e Sophia (que irá nascer em dezembro) e os bisnetos Mateus, Sarah, João Victor e Pedro. Foi sepultado no Cemitério Nossa Senhora do Carmo, em Vila Curuçá.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;