Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 3 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Nova Lei de Improbidade pode barrar demissão de ex-Lava Jato por outdoor no PR



19/10/2021 | 18:21


Em meio à perplexidade que tomou conta de integrantes do Ministério Público, a pena de demissão imposta pelo Conselhão do MP ao procurador da República Diogo Castor de Mattos pode não ter eficácia. Essa é a avaliação do procurador Hélio Telho, do Ministério Público Federal de Goiás. Para ele, a sanção máxima contra Diogo Castor, que fez parte da extinta força tarefa da operação Lava Jato no Paraná, pode esbarrar na nova lei de improbidade que o congresso aprovou no último dia 5.

"Veja a ironia do destino. Essa pena foi aplicada porque o CNMP entendeu que houve improbidade. Porém, com a nova lei de improbidade aprovada pelo Congresso e em vias de ser sancionada pelo presidente da República, esse fato deixará de ser improbidade e a pena não será executada", escreveu Telho em seu perfil no Twitter nesta segunda-feira, 18, pouco depois de o Conselho Nacional do Ministério Público, por 6 votos 5, decretar a queda de Castor.

O procurador Ubiratan Cazetta, presidente da Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) já havia abordado o efeito de retroação da nova lei de improbidade, em entrevista ao Estadão em junho.

A pena aplicada ao ex-integrante da força-tarefa da Lava Jato tem relação com a compra de um outdoor para homenagear o grupo. Instalado na saída do aeroporto de Curitiba em março de 2019, a peça dizia: "Bem-vindo a República de Curitiba - terra da Operação Lava Jato, a investigação que mudou o país. Aqui a Lei se cumpre. 17 de março - 5 anos de Operação Lava Jato - O Brasil Agradece". O colegiado concluiu que ele cometeu improbidade e quebra de decoro no caso.

O comentário se deu quando o procurador compartilhou uma publicação do deputado Paulo Teixeira (PT-SP) que ligou a decisão do chamado Conselhão à proposta de emenda à Constituição que foi batizada por integrantes do Ministério Público Federal como PEC da Vingança. A proposta, que pode ser votada da Câmara a qualquer momento, altera a composição do Conselho Nacional do Ministério Público, aumentando a influência política sobre o órgão.

O texto vem sendo duramente criticado por integrantes do MPF, que lançaram diferentes manifestos e convocaram manifestações pela rejeição integral da PEC. No domingo, 17, uma frente de 3.295 promotores e procuradores do Ministério Público Federal e dos Estados lançou uma nota de repúdio contra a proposta.

O Conselhão, é responsável por fiscalizar a conduta de membros do Ministério Público. Além de alterar a composição do colegiado e os critérios para a indicação dos conselheiros, a proposta apresentada pelo deputado Paulo Teixeira também alarga a função do órgão. Conforme o texto, em adição à função correcional, o CNMP poderá revisar atos de promotores e procuradores. A previsão abre caminho para anulação de denúncias, pedidos de prisão e condenações fora da via judicial.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;