Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 3 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Pré-candidatos do PSDB buscam distanciamento de Bolsonaro e apostam em economia



19/10/2021 | 12:59


Em disputa pela vitória nas prévias das eleições presidenciais do PSDB, os pré-candidatos apostam no distanciamento do presidente Jair Bolsonaro e reforçam a defesa da implementação de políticas públicas, em especial no sentido de trazer segurança fiscal para o Brasil. Do ponto de vista econômico, em críticas aos governos petistas, o ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio esclareceu suas políticas para o desenvolvimento do País.

"O País só vai ser um país desenvolvido se for capaz de fazer as reformas que estão atrasadas", afirmou nesta terça-feira (19), em debate organizado pelos jornais O Globo e Valor Econômico. Em sua avaliação, no primeiro semestre do primeiro mandato, o próximo presidente deve aprovar as reformas fundamentais de olho no ajuste fiscal. "Para mim, ajuste fiscal é tudo, é um mantra, uma religião", destacou.

Em seguida, Virgílio também declarou forte defesa por uma boa política externa brasileira. Segundo ele, a política adotada atualmente não deixa o Brasil crescer na medida que necessita.

O governador de São Paulo, João Doria, também foi questionado sobre a responsabilidade econômica brasileira e mostrou insatisfação com as emendas do relator - emendas que são uma parte do Orçamento da União cuja destinação é definida unicamente por quem relata a peça orçamentária. De acordo com o governador paulista, hoje o Executivo é "refém do Congresso Nacional".

"Nós temos que respeitar a individualidade dos Poderes. O Executivo, o Judiciário e o Legislativo, e não criar um grau de dependência, como infelizmente nós temos hoje, onde quem manda do governo é o presidente da Câmara", disse Doria. " Quem faz políticas públicas é o Executivo, por isso foi eleito pelo povo. A população elegeu Bolsonaro para ser presidente da República,e não Arthur Lira para cumprir esse papel", comentou.

No viés econômico, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, defendeu a implementação das reformas tributária e administrativa. No entanto, o gestor estadual gaúcho ponderou que, para o presidente implementar medidas, é preciso ter governabilidade "Tudo isso vai precisar de política e política a gente precisa de apoio, e apoio tem que ser discutido com todos."

Em rodada de pergunta dos jornalistas, Leite mais uma vez foi cobrado sobre o apoio a Bolsonaro e, então, teceu uma indireta ao adversário, que adotou o mote "BolsoDoria" em 2018 e chegou a viajar ao Rio de Janeiro para se encontrar com então candidato do PSL, mas não foi recebido. "Não fui atrás dele (Bolsonaro) para tirar foto", reforçou. "Eu não sei o que os dois aqui Doria e Virgílio vão fazer se perderem as prévias. Mas eu posso dizer que eu vou estar ao lado deles para fazer o País voltar para o bom senso e ao equilíbrio."

O governador gaúcho também foi questionado sobre o apoio do candidato à Presidência em 2014 Aécio Neves, desafeto de Doria, à sua pré-candidatura. "Recebo o apoio não apenas do Aécio Neves, recebo de todo o diretório de Minas Gerais", esclareceu. Sobre o apoio gerar algum tipo de constrangimento devido às acusações contra Neves, Leite afirmou que como qualquer cidadão, o deputado deve prestar explicações e esclarecimentos e "ter a presunção da inocência até que tudo se julgue".

Na esteira de perguntas sobre as polêmicas que envolvem os candidatos, Virgílio foi questionado com relação às críticas que realizou a Doria no passado, as quais ele minimizou. Em 2017, em uma entrevista ao jornal El País, o ex-senador havia acusado Doria de ter transformado as prévias do PSDB em um "motel", onde pessoas se filiaram ao partido para votar nas prévias e depois abandonavam a sigla. Virgílio riu ao comentar que ele "às vezes" ele não se segura, mas que hoje sua impressão do governador paulista é diferente. No entanto, o ex-prefeito de Manaus não retirou suas declarações: "Eu não retiro nada porque era o que eu sentia na hora".



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;