Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 8 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Monitor do PIB aponta queda de 1,0% em agosto ante julho, diz FGV



19/10/2021 | 10:43


O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro recuou 1,0% em agosto ante julho, segundo o Monitor do PIB, apurado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV). Na comparação com agosto de 2020, a atividade econômica cresceu 4,4% em agosto de 2021.

"A economia brasileira continua em trajetória de recuperação em relação à forte queda de 2020", provocada pela pandemia do novo coronavírus, apontou Claudio Considera, coordenador do Monitor do PIB-FGV, em nota oficial.

Claudio Considera aponta que a taxa de crescimento do PIB acumulada nos 12 meses encerrados em agosto de 2021 foi de 3,6%, enquanto nos 12 meses terminados em agosto de 2020 a economia acumulava retração de 3,1%.

O destaque recente é o setor de serviços, que sofria quedas mensais contínuas e elevadas desde março do ano passado até março deste ano, mas apresenta avanços desde abril. Nos 12 meses terminados em agosto, os serviços cresceram 2,6%, ressaltou o economista do Ibre/FGV.

"No setor de serviços tem relevância a atividade de outros serviços, que representa cerca de 15% do PIB, que chegou a ter taxa mensal negativa de 22,8% e que apresentou taxas positivas elevadas desde abril deste ano. Este desempenho se deve à maior abrangência da vacinação que possibilitou a maior interação entre as pessoas com idas a hotéis, bares, restaurantes, viagens, etc. Isto é compatível com o consumo de serviços por parte das famílias que no mês de agosto cresceu 8,2%", avaliou Considera.

O Monitor do PIB antecipa a tendência do principal índice da economia a partir das mesmas fontes de dados e metodologia empregadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), responsável pelo cálculo oficial das Contas Nacionais.

No trimestre móvel terminado em agosto, o PIB cresceu 6,7% em relação ao mesmo período do ano anterior. Sob a ótica da demanda, o consumo das famílias aumentou 6,5%, impulsionado pelo crescimento do componente serviços (9,8%). A Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF, medida dos investimentos no PIB) avançou 18,5%. As exportações cresceram 3,0%, e as importações aumentaram 32,7%.

Em termos monetários, o PIB alcançou aproximadamente R$ 5,680 trilhões de janeiro a agosto de 2021, em valores correntes.

A taxa de investimento da economia foi de 17,6% no mês de agosto de 2021.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;