Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 3 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Dólar sobe 1,21% com cena externa, questão fiscal e piora das expectativas



18/10/2021 | 17:50


O dólar iniciou a semana em alta e voltou a ser negociado acima do nível de R$ 5,50, a despeito de nova rodada de injeção de recursos do Banco Central no mercado via operações de swaps cambiais. Em dia de apetite reduzido ao risco, o real liderou as perdas entre as divisas emergentes, castigadas em meio à escalada da inflação global resultante da crise energética e à decepção com dados fracos das economias da China e dos Estados Unidos.

Pesam contra a moeda brasileira a deterioração contínua das projeções econômicas (de inflação e crescimento), ratificadas pelo Boletim Focus desta segunda-feira, e as indefinições na área fiscal, dadas as negociações para a extensão do auxílio emergencial e a expectativa para votação da PEC dos Precatórios esta semana na Câmara. Além disso, há um clima da cautela diante da espera pelo relatório final da CPI da Covid e da ameaça de greve dos caminheiros a partir de 1º de novembro, embora a maior parte do mercado não acredite em um movimento amplo de paralisação por parte da categoria.

O Banco Central realizou nesta segunda pela manhã três leilões de swaps cambiais, no valor total de US$ 1,950 bilhão, mas na operação que representa injeção nova de liquidez, realizada às 9h30, reduziu a oferta à metade, para US$ 500 milhões. Nos três pregões anteriores, havia ofertado US 1 bilhão por dia.

Apesar da atuação do BC, o dólar à vista não apenas rompeu novamente o patamar de R$ 5,50 como chegou a flertar com o nível de R$ 5,55, ao correr até a máxima de R$ 5,5425 (1,61%). A escalada a moeda norte-americana chegou a levar parte dos agentes a cogitar uma nova intervenção do BC, hipótese que não se concretizou.

Ao longo da tarde, com a melhora das Bolsas americanas, acompanhada pelo Ibovespa, e diminuição das perdas demais divisas emergentes, a moeda norte-americana desacelerou o ritmo de alta por aqui. No fim da sessão, o dólar à vista subia 1,21%, a R$ 5,5205. Com os ganhos desta segunda, a moeda acumula alta de 1,36% em outubro e avança 6,39% no ano.

A economista-chefe do Banco Ourinvest, Fernanda Consorte, observa que o dia foi marcado por cautela externa, com perdas das divisas emergentes, em meio a dados mais fracos na China. "O real está se desvalorizando mais que pares pela percepção de piora local com contínua revisão de crescimento para baixo e a expectativa pela votação dos Precatórios, e consequentemente, do novo Bolsa Família. E com isso a gente tem um cenário de aversão ao risco", afirma Consorte.

O Boletim Focus trouxe nesta segunda queda na expectativa para o crescimento do PIB neste ano (de 5,04% para 5,01%) e para 2022 (de 1,54% para 1,50%). As projeções de inflação se deterioraram tanto para este ano (de 8,59% para 8,69%) quanto para o ano que vem (de 4,17% para 4,18%). Foram mantidas as estimativas para a taxa Selic no fim de 2021 (8,25%) e de 2022 (8,75%).

A conjunção de inflação em alta e crescimento baixo faz crescer os temores de medidas populistas por parte do presidente Jair Bolsonaro, que já acenou com a mudança na bandeira tarifária de energia (contrariando recomendação técnica) e enfrenta nova ameaça dos caminhoneiros. Tudo isso se dá em meio ao impasse do Orçamento de 2022, dada à indefinição das fontes de financiamento do Auxílio Brasil, o programa de que vai substituir o Bolsa Família.

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), demonstra otimismo com a aprovação da PEC dos Precatórios - que vai liberar espaço no orçamento para o novo programa social - na Câmara nesta semana. Já a reforma do Imposto de Renda, outra fonte para o Auxílio Brasil, segue empacada no Senado.

É nesse cenário que se cogita a expansão do auxílio emergencial, via crédito suplementar. Em evento em Minas Gerais, Bolsonaro afirmou que a questão do auxílio emergencial será resolvida esta semana. Segundo o presidente, o novo valor do benefício (hoje de R$ 150 a 375 mensais) já teria até sido decidido no fim de semana em reunião com os ministros Paulo Guedes (Economia) e João Roma (Cidadania).

"O dólar não vai ter uma tendência de queda internamente enquanto não resolverem a questão fiscal, ainda mais com essa piora das expectativas de crescimento", afirma Hideaki Iha, operador da Fair Corretora, ressaltando que a instabilidade política provoca volatilidade da taxa de câmbio, o que inibe os investidores e faz com que os exportadores esperem para internalizar recursos.

Para Iha, BC errou ao diminuir ao reduzir o valor da oferta de swap extra, de US$ 1 bilhão para US$ 500 milhões, já que é grande a demanda por proteção diante do ambiente interno conturbado e das preocupações com a saúde da economia mundial, em meio à inflação alta e temores de desaceleração da atividade na China. "Se o BC não entrar mais forte no mercado, não vejo como o dólar possa recuar. A tendência é continuar bastante pressionado", afirma.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;