Fechar
Publicidade

Domingo, 5 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

tecnologia@dgabc.com.br | 4435-8301

LinkedIn deixa a China

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Da Redação
Do 33Giga

18/10/2021 | 12:48


*Por Vivaldo José Breternitz

A Microsoft afirma que, até o final deste ano, o serviço LinkedIn deixará de estar disponível na China.

O LinkedIn é a maior rede social de origem americana que ainda opera oficialmente naquele país. O governo local baniu as redes Signal e Clubhouse neste ano, seguindo o que fizera com o Facebook e o Twitter em 2009 e com o Instagram em 2014.

Quer ficar por dentro do mundo da tecnologia e ainda baixar gratuitamente nosso e-book Manual de Segurança na Internet? Clique aqui e assine a newsletter do 33Giga

A decisão foi tomada depois que o serviço foi forçado pela ditadura chinesa a bloquear perfis de jornalistas e ativistas de direitos humanos, que teriam postado conteúdo “proibido” – obviamente críticas ou informações contrárias aos interesses do governo do país.

Em 2014, quando começou a operar naquele país, o LinkedIn concordou a obedecer a certas regras impostas pelo governo, especialmente no sentido de bloquear determinados conteúdos.

Apesar dessa postura, em meados deste ano o governo chinês disse que o LinkedIn estava entre os 105 sites que estariam violando leis do país.

Leia mais: 
Além de Bridgerton: 10 séries de época para assistir via streaming
45 séries com episódios de 30 minutos para assistir na Netflix

Mostrando cautela e de forma diplomática, a rede social profissional disse que tomou a decisão por estar enfrentando no país um ambiente operacional significativamente mais desafiador, com maiores requisitos de conformidade.

Disse também que continuará a trabalhar com as empresas chinesas para ajudá-las a criar oportunidades, em linha com o compromisso de se esforçar para construir uma economia que ofereça maior prosperidade às pessoas de todo o mundo.

Para isso, lançará um serviço batizado InJobs, que permitirá apenas o cadastramento de currículos e vagas, sem possibilidade de comentários ou qualquer outro tipo de material.

A postura do governo chinês é um exemplo muito claro do que vem sendo chamado “controle social da mídia”, infelizmente uma bandeira de alguns grupos políticos de nosso país.

*Por Vivaldo José Breternitz, doutor em Ciências pela Universidade de São Paulo, é professor da Faculdade de Computação e Informática da Universidade Presbiteriana Mackenzie.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;