Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 29 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Dólar sobe com cautela no exterior e risco fiscal no radar



18/10/2021 | 09:54


O dólar opera em alta diante da cautela no exterior após a decepção dos investidores com o PIB e a produção industrial na China, que vieram abaixo do esperado e reacendem temores com a recuperação da economia global após os choques da pandemia de covid-19 e sob impacto da crise energética no país. Os ativos locais ajustam-se ao avanço dos retornos dos Treasuries e da moeda americana na manhã desta segunda-feira, e monitoram ainda a alta dos rendimentos do bônus britânico (Gilt) de 10 anos, após o presidente do Banco da Inglaterra (BoE), Andrew Bailey, sinalizar a possibilidade de alta de juros.

No mercado interno, o relatório Focus mostra hoje piora nas previsões para a inflação. A expectativa para IPCA deste ano subiu de 8,59% para 8,69%, a 28ª alta consecutiva. Há um mês, estava em 8,35%. A projeção para o índice em 2022 também continuou subindo, de 4,17% para 4,18%, 13º aumento seguido. Quatro semanas atrás, estava em 4,10%.

No câmbio, o Banco Central realiza em instantes leilão de swap cambial tradicional, com oferta de até 10.000 contratos (US$ 500,0 milhões). A oferta, que representa injeção de recursos novos no mercado por não estar relacionada a nenhuma rolagem, ocorrerá das 9h30 às 9h40. Depois, das 10h30 às 10h40, haverá mais um leilão de swap cambial tradicional, para suprir a demanda pontual de fim de ano ligada ao overhedge (proteção cambial adicional) dos bancos. Serão ofertados até 14.000 contratos (US$ 700,0 milhões). E às 11h30, haverá a operação de rolagem de vencimentos de swap de janeiro de 2022, com oferta de US$ 750 milhões.

Os agentes financeiros operam na expectativa de apreciação amanhã da PEC dos precatórios em comissão especial da Câmara e votação em plenário na quarta ou quinta-feira, conforme sinalizou o presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL). Ja a reforma do Imposto de Renda, que junto com os precatórios seriam as fontes de recursos para bancar o Auxílio Brasil ampliado, substituto do Bolsa Família, segue sem data para a apreciação no Senado.

Também o estado de greve dos caminhoneiros desde sábado (16) será monitorado, e eles programam parar no dia 1º de novembro, caso o governo não atenda às reivindicações em 15 dias. A categoria exige piso do frete, nova política para o diesel e aposentadoria especial. Segundo o Estadão/Broadcast apurou, porém, o governo federal vê a mobilização como ameaças feitas antes - e que mais uma vez não devem ser cumpridas.

Mais cedo, o Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) arrefeceu a 1,29% na segunda quadrissemana de outubro, após 1,43% na primeira leitura. O indicador acumula alta de 10,29% em 12 meses, menor do que o avanço de 10,45% no período até a primeira quadrissemana.

Na China, o PIB chinês cresceu 4,9% no terceiro trimestre, abaixo da estimativa de 5,1%. Já a produção industrial também decepcionou (alta anual de 3,1%, abaixo da previsão de 3,8%), mas as vendas no varejo surpreenderam positivamente (ganho de 4,4%, acima da expectativa de 3,4%).

Às 9h21 desta segunda, o dólar à vista subia 0,52%, a R$ 5,4824. O dólar para novembro ganhava 0,37%, a R$ 5,4950.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;