Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 2 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

BCE: Lagarde defende globalização, mas alerta para necessidade de reformas



16/10/2021 | 13:50


A presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, defendeu, neste sábado, a globalização como um sistema econômico "poderoso" que beneficiou a Europa nas últimas décadas, em discurso durante evento do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Lagarde, no entanto, alertou para a necessidade de adaptações com objetivo de mitigar os riscos que a pandemia impôs a esse modelo. "Isso significa usar o peso econômico da Europa para apoiar a abertura comercial recíproca globalmente, ao mesmo tempo que fortalece sua própria demanda doméstica para se proteger de uma economia global mais volátil", explicou.

A dirigente ressaltou que a integração do comércio global trouxe uma série de benefícios aos europeus, entre eles fortalecimento do mercado de trabalho. "Mas o outro lado de uma maior abertura comercial é uma maior exposição aos choques globais e, se as políticas corretas não estiverem em vigor, o potencial para que as pessoas se voltem contra a globalização", ponderou.

Um dos subprodutos desse dilema foi o avanço do protecionismo nos últimos anos, de acordo com Lagarde. Ela lembrou que, em 2020, mais de 1,9 mil medidas restritivas foram adotadas por países em todo o mundo, cerca de 600 a mais que a média dos dois anos anteriores. "E há evidências de novas práticas discriminatórias sendo introduzidas este ano", disse.

A economista francesa acrescentou que a economia global tem se tornado cada vez mais uma fonte de choques para a Europa, não mais um estabilizador contra volatilidade interna. De acordo com o BCE, as exportações na zona do euro teriam sido 7% maiores no início deste ano se não fossem pelos gargalos na cadeia produtiva causados pela covid-19.

"Mesmo depois que as perturbações criadas pela pandemia forem resolvidas, teremos que enfrentar as consequências de um clima em mudança e das estruturas industriais em mudança", previu Lagarde.

Como resposta a esses fatores, a líder do BCE argumentou que a União Europeia deve evitar o protecionismo, ao mesmo tempo que toma medidas para ampliar a produção doméstica de itens vitais, como semicondutores.

"E a Comissão Europeia já está tomando medidas para reforçar o papel internacional do euro, o que pode, em última análise, tornar as empresas europeias mais resistentes ações desfavoráveis de terceiros", pontuou.

Nesse cenário, a banqueira central argumentou que a política fiscal expansionista deve seguir em vigor enquanto houver ecos da crise, embora as medidas devam se tornar mais direcionadas aos setores afetados. Sobre a política monetária, ela disse que a ideia é manter o caráter acomodatício até a inflação alcançar 2% no médio prazo.

"E uma vez que a emergência pandêmica chegue ao fim - o que está se aproximando -, nossa orientação futura sobre as taxas de juros, bem como a compra de ativos, garantirá que a política monetária continue a apoiar o cumprimento de nossa meta", reforçou.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;