Fechar
Publicidade

Sábado, 4 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Alheias a apetite a risco global, taxas sobem com Treasuries e fala de Bolsonaro



15/10/2021 | 17:47


Na contramão da melhora de humor global, os juros subiram o dia todo, com máximas à tarde, acompanhando a aceleração da alta dos rendimentos dos Treasuries, mas fatores domésticos também responderam por grande parte da pressão sobre a curva. Ao risco de populismo fiscal soma-se agora o temor de intervenção nos preços de energia, após declarações de ontem do presidente Jair Bolsonaro sobre a bandeira escassez hídrica, remontando a medidas do governo Dilma em 2014, consideradas desastrosas. Na semana de dados fracos de atividade e em que o Banco Central reforçou que fará o que for necessário para colocar a inflação de 2022 na meta de 3,5%, a curva teve forte desinclinação.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2025 encerrou em 10,20% (máxima), de 10,065% ontem no ajuste, e a do DI para janeiro de 2027, na máxima de 10,58%, de 10,463% ontem. A do DI para janeiro de 2023 terminou em 9,28%, de 9,15%.

Apesar do forte estresse nos Treasuries hoje, que normalmente pressiona mais a parte longa, a curva local fechou a semana com perda de inclinação. O diferencial entre os vértices de janeiro de 2027 e janeiro de 2023 ficou em 130 pontos, de 142 pontos na última sexta-feira.

Como destaca o economista-chefe do Banco Fator, José Francisco de Lima Gonçalves, em relatório, apesar de indicadores mais fracos do que o esperado para a atividade no terceiro trimestre, as expectativas de inflação subiram e os juros, também. "Em boa parte, ajudados pelo rendimento dos títulos do Tesouro americano. Lá, os juros curtos subiram mais do que os longos", afirmou.

No Brasil, a escalada da inflação e as consequências para a política monetária também pesam sobre a curva, mas num contexto de recuperação frágil da atividade, atestada pelos dados frustrantes da semana, como os do varejo e o IBC-Br, que abalam as expectativas para o PIB. Já o Itaú Unibanco reduziu de 5,3% para 5,0% a sua projeção de crescimento em 2021.

O analista de Investimentos Renan Sujii diz que várias pendências estão reforçando os receios com o cenário de inflação, entre elas a questão da energia, agravada pela indicação de Bolsonaro de determinar ao ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, a reversão da bandeira "escassez hídrica", com a retomada da bandeira normal no mês que vem. Coincidência ou não, o Ministério fará uma reunião na quinta-feira com a Aneel e com a Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee) para tratar do tema das bandeiras.

A princípio, a fala do presidente pode ser considerada apenas uma bravata, mas o mercado tem viva na memória a intervenção nos preços de energia feita pela presidente Dilma Rousseff em 2014. "Não se sabe até que ponto ele vai levar isso adiante, mas sim qual é o resultado disso. A conta chegou pesada em 2015", disse Sujii. Além disso, há pessimismo sobre os preços de combustíveis, dado que o petróleo não para de subir e o câmbio não acompanha. A solução de reduzir os preços via ICMS, em discussão no Congresso, também não agrada. "Haverá contra ataque dos governadores", afirma o analista.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;