Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 20 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Raphinha se destaca, Brasil brilha e goleia Uruguai por impiedosos 4 a 1

Lucas Figueiredo/ CBF Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


14/10/2021 | 23:58


Dez jogos, com nove vitórias e um empate, e quase nenhuma empolgação do torcedor. Esse era o frio resumo da campanha da seleção brasileira nas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2022 até o começo da quinta-feira. Em seu 11º jogo na corrida rumo ao Catar, o Brasil fez o clássico contra o Uruguai, venceu de forma impiedosa por 4 a 1 e recuperou seu prestígio com propriedade. A vitória apareceu com um futebol coletivo, mas com um destaque para um protagonista diferente - Raphinha, o então desconhecido atacante do Leeds United mostrou suas credenciais de titular da equipe.

Fazia um bom tempo que a seleção brasileira não jogava tão bem. Calejado com as críticas ao pobre futebol apresentado na vitória sobre a Venezuela e no empate com a Colômbia, Tite resolveu apostar em Raphinha como titular no ataque, ao lado de Neymar e Gabriel Jesus.

Em seu primeiro jogo como titular com a camisa da seleção brasileira, em sua segunda convocação, o atacante do Leeds United, do Campeonato Inglês, jogou solto e teve uma noite muito inspirada. Apoiado em seu futebol, o Brasil dominou o Uruguai como se a tradicional Celeste Olímpica fosse uma equipe qualquer - apesar de ser um conjunto um tanto envelhecido, definitivamente não se trata de um time ruim.

O jogo começou com a seleção brasileira trocando passes rápidos e sem medo de finalizar na meta do bom goleiro Muslera. Logo aos dois minutos, Neymar recebeu pela esquerda, puxou para o meio e bateu firme para uma defesa firme do arqueiro uruguaio.

Mas aos nove minutos a defesa do Uruguai não conseguiu parar o melhor jogador brasileiro. Fred, que fazia a dupla de volantes com Fabinho, deu um lindo toque por cima da zaga para Neymar, já dentro da área. Ele dominou no peito, tirou Muslera da jogada e finalizou com força, sem ângulo, para abrir o placar na Arena Amazônia - 1 a 0 para o Brasil. Foi o 70º gol de Neymar em 115 jogos com a camisa da seleção brasileira e assim ele fica a apenas sete gols de se igualar ao Rei Pelé como o maior artilheiro do Brasil na história.

Depois de muita festa da torcida em Manaus, o Brasil não parou de trocar passes em velocidade e nem parou de atacar. Aos 17 minutos, Lucas Paquetá fez boa jogada pela esquerda e cruzou rasteiro para Neymar, dentro da área. O atacante do Paris Saint-Germain dominou e chutou, mas a bola bateu no zagueiro Godín. Muslera tentou afastar o perigo, mas Raphinha apareceu rápido pela direita e só empurrou para marcar o seu primeiro gol pela seleção - 2 a 0 para o Brasil.

Com o seu gol, Raphinha coroava o ótimo início de trajetória na seleção. Contra a Venezuela, ele entrou no segundo tempo e deu duas assistências para a virada brasileira na vitória por 3 a 1 em Caracas; no domingo, em Barranquilla, mais uma vez entrou no segundo tempo e deu bom ritmo de jogo para o time de Tite; por fim, nesta quinta-feira apareceu pela primeira vez como titular e tomou conta da posição.

Além de atacar com velocidade e em bloco, a marcação da seleção brasileira foi muito forte e esteve implacável. Zagueiros e volantes não deram quase nenhum espaço para os craques Edinson Cavani e Luís Suárez, estrelas do time do Uruguai. Na frente, os meias e atacantes conseguiam criar e abusavam dos dribles, dando muito trabalho para os experientes Valverde e Betancour na contenção das jogadas pelo lado uruguaio.

Fred e Fabinho se revezavam no desarme das jogadas de ataque do Uruguai e Lucas Paquetá regia o meio-campo com muita categoria, algo que ele demorou a demonstrar com a camisa brasileira.

Aos 33, o lateral-esquerdo Alex Sandro foi para o meio e deu excelente passe para Gabriel Jesus. O atacante do Manchester City dominou, mas Muslera fechou o ângulo na hora do chute. Sem espaço para definir, ele tocou para Raphinha, que devolveu para Jesus, que acabou desarmado. O Uruguai chegou com perigo pela primeira vez apenas aos 34, quando Betancour bateu firme da entrada da área e a bola passou raspando a trave direita de Ederson.

Quatro minutos depois, mais uma vez Muslera parou o ataque brasileiro. Neymar tabelou com Raphinha dentro da área, dominou e bateu de esquerda, mas o goleiro se esticou todo e conseguiu fazer a defesa. Dois minutos depois, foi a vez de Raphinha receber bom passe de Emerson, passar como quis por Godín e bater firme, para nova intervenção do arqueiro uruguaio.

O Brasil voltou para o segundo tempo com o mesmo ímpeto. A voracidade na hora do ataque deixou, finalmente, o torcedor brasileiro satisfeito. Logo no primeiro minuto, Neymar quase ampliou; aos três minutos, Gabriel Jesus parou em Muslera; aos cinco, mais uma vez o goleiro parou o ex-palmeirense; um minuto depois, Raphinha exigiu nova intervenção do arqueiro - um massacre.

O terceiro gol era questão de tempo e chegou aos 12 minutos. Em rápido contra-ataque, Gabriel Jesus tocou rápido para Neymar, que esticou a bola e tocou para Raphinha na frente dos zagueiros. O atacante gaúcho entrou em velocidade na área e chutou forte no canto esquerdo, sem chances para Muslera - 3 a 0 para o Brasil, fora o baile.

Tite começou a mexer na seleção e mandou Antony e Gabriel Barbosa a campo. Aos 19, em uma ótima tabela entre os dois, Gabriel bateu firme, mas o ''paredão'' uruguaio conseguiu espalmar para escanteio. A cena se repetiu aos 28, com mais uma vez o atacante do Flamengo sendo parado pelo melhor jogador do Uruguai em campo.

Aos 30, Piquerez, lateral-esquerdo uruguaio que joga no Palmeiras, sofreu falta perigosa na entrada da área brasileira. Na hora da batida, o craque apareceu. Luis Suárez cobrou com perfeição, no canto esquerdo baixo de Ederson, e diminuiu para a Celeste.

Mas o Brasil seguia com sua forma de jogar. Aos 37, Neymar cruzou na cabeça de Gabriel Barbosa, que cabeceou para o gol, mas a jogada foi paralisada por impedimento. Contudo, após análise do VAR, o gol foi validado, para a celebração do centroavante.

Depois, até o fim do jogo, as duas seleções diminuíram o ritmo. O Brasil chegou aos 31 pontos e segue firme em sua caminhada rumo ao Catar. O próximo jogo da seleção será em 11 de novembro, contra a Colômbia, na Neo Química Arena, em São Paulo.

FICHA TÉCNICA

BRASIL 4 X 1 URUGUAI

BRASIL - Ederson; Emerson, Lucas Veríssimo, Thiago Silva e Alex Sandro; Fabinho (Douglas Luiz), Fred (Edenílson) e Lucas Paquetá (Antony); Raphinha (Everton Ribeiro), Gabriel Jesus (Gabriel Barbosa) e Neymar. Técnico: Tite.

URUGUAI - Muslera; Nández (Cáceres), Coates, Godín e Viña (Piquerez); Valverde, Bentancur, Vecino (Facundo Torres) e De La Cruz (Torreira); Luis Suárez e Cavani.

Técnico: Óscar Tabárez.

GOLS - Neymar, aos 9 e Raphinha, aos 17 minutos do primeiro Tempo; Raphinha, aos 12, Suárez, aos 31 e Gabriel Barbosa, aos 37 do segundo.

ÁRBITRO - Fernando Rapallini (ARG).

CARTÕES AMARELOS - Fabinho (Brasil), Valverde, Cavani e Cáceres (URUGUAI).

Renda - R$ 2.943,725,00.

PÚBLICO - 12.528 torcedores.

LOCAL - Arena DA Amazônia, em Manaus.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;