Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 19 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Região tem 1.819 orelhões

Claudinei Plaza/ DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Telefones públicos tem média de uma ligação efetuada a cada 14 dias; utilização depende de cartão com créditos


Daniel Tossato
Do Diário do Grande ABC

11/10/2021 | 00:01


Você pode não acreditar ou até não perceber que eles estão por aí, mas em todo o Grande ABC é possível encontrar 1.819 orelhões – como são chamados os telefones públicos – espalhados em todas as sete cidades. 

Imprescindível para a comunicação entre as pessoas até o início dos anos 2000, o orelhão deixou de ser importante para conectar pessoas com o surgimento dos smartphones, cada vez com mais tecnologia e recursos incluídos, e a popularização da internet. 

No Grande ABC, a CTBC (Companhia Telefônica da Borda do Campo) se tornou apenas memória na mente do morador da região e os antigos orelhões amarelos com o logotipo da empresa deram lugar a equipamentos mais discretos, que eram mantidos pela também extinta Telefônica. Hoje, os aparelhos públicos são administrados pela empresa Vivo, que também mantém telefonia móvel, internet e TV por assinatura no País.

O Diário questionou a Vivo sobre qual é a situação dos orelhões nas cidades do Grande ABC, além de perguntar sobre o prédio da antiga CTBC, que fica em plena Avenida Portugal, no Centro de Santo André, um dos cartões-postais da cidade (leia mais abaixo).

A Vivo informou que todos os orelhões espalhados pelas sete cidades do Grande ABC seguem ativos, mas que a demanda caiu vertiginosamente devido a expansão da internet 4G e da telefonia móvel. Para se ter uma ideia de como o orelhão se tornou obsoleto, a empresa afirmou que no período de janeiro a agosto de 2021 os telefones públicos do Estado de São Paulo tiveram, em média, utilização de um crédito a cada 14 dias, sendo que mais da metade sequer foram utilizados pela população. “Neste sentido, observa-se que só no último ano o uso caiu mais de 50%, mostrando o desinteresse pelo serviço”, declarou a empresa de telefonia.

Além de o fato de que no Brasil existem dois celulares para cada habitante, de acordo com pesquisa recente da FGV (Fundação Getúlio Vargas), utilizar os orelhões é tarefa das mais complicadas. Parte não completa a ligação e nos que estão ativos é necessário a utilização de um cartão com créditos para fazer a ligação. Segundo a Vivo, esse cartão ainda é vendido em 20 mil pontos no Estado de São Paulo entre padarias, supermercados, farmácias, bancas de jornal, shoppings e agência dos Correios, mas diante da pouca procura é quase impossível achar um ponto comercial que ainda disponibiliza o item. O cartão mais básico, com 20 créditos que é capaz de realizar até 40 minutos de ligações locais, custa R$ 2,65. A opção mais completa custa R$ 9,78 e dá direito a 150 minutos de ligações locais. Também é possível realizar chamadas a cobrar para telefones fixos e celulares, além de acionar gratuitamente os serviços de emergências como o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) e a Polícia Militar. 

Outro fator que colabora com o sumiço dos orelhões das cidades é um decreto publicado pelo governo federal no fim de 2018 e que liberou as concessionárias de telefonia da obrigação de investir nos equipamentos públicos, para que, em troca, levassem sinal de celular 4G a áreas isoladas e carentes em todo o Brasil. 

Apesar de sumindo aos poucos, a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) diz que os orelhões vão continuar existindo em locais estratégicos como delegacias, hospitais, estações de metrô e aeroportos. 

Após o decreto, a estimativa é a de que as empresas já desligaram quase 600 mil orelhões em todo País, o que representa redução de mais de 70% no serviço de telefonia pública. Conforme dados da Anatel, nos anos 2000 o Brasil chegou a ter 1,4 milhã</CW>o de orelhões ativos. 

A Vivo ainda informou que a distribuição de telefones públicos segue determinação legal do MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicação) e regulatória da Anatel e que, com as novas tecnologias de comunicação, em especial o massivo uso do serviço móvel, a utilização dos orelhões está em acentuado declínio.

Prédio da CTBC guarda equipamentos técnicos

Em uma das esquinas mais conhecidas de Santo André, entre a Avenida Portugal e a Rua Justino Paixão, está localizado o antigo prédio da CTBC. Inaugurado em 1968, atualmente não passa de um edifício em decadência e que nem de longe se assemelha ao que era no tempos em que a empresa telefônica dominava as chamadas entre os moradores da região. 

Envolto em diversos tipos de pichação, muita gente assegura que o prédio de sete andares está vazio e até mesmo abandonado, mas não é isso que informa a Vivo. A empresa informou que o imóvel ainda pertence à companhia e que o prédio é utilizado para abrigar equipamentos técnicos da própria Vivo.

No início da gestão do prefeito Paulo Serra (PSDB), em 2017, a Prefeitura especulou comprar o edifício, que fica a poucos metros do Paço Municipal. A ideia era utilizar o local para abrigar secretarias que estavam ocupando edifícios alugados, mas as negociações não avançaram.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;