Fechar
Publicidade

Sábado, 28 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

No dia do idoso, são-caetanense comemora vitória contra Covid

André Henriques/ DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Donato Santos, 84 anos, superou a doença após várias complicações; especialista vê sobreviventes como privilegiados


Arthur Gandini
Especial para o Diário

01/10/2021 | 05:10


Donato dos Santos, 84 anos, foi infectado pelo coronavírus no ano passado e por muito pouco não se somou aos 752 idosos que foram vitimados pela Covid-19 em São Caetano. Ele foi entubado por duas vezes, chegou a não responder mais aos medicamentos e a ter o quadro declarado como praticamente irreversível. Contraiu uma superbactéria na internação e desenvolveu úlcera na perna. Sobreviveu devido ao trabalho dos médicos, ao auxílio da família – seis filhas atuam na área da saúde – e graças à sua força de vontade e fé. Hoje, quando é celebrado o Dia Mundial do Idoso, a história de superação de Santos serve de motivação para outras pessoas da faixa etária que superaram o novo coronavírus.

O morador de São Caetano costumava ter uma rotina bem ativa para a sua idade. Alfaiate, acordava por volta das 4h, pegava ônibus e ia ao bairro do Brás, na Capital, comprar materiais para trabalhar ao longo do dia. Na pandemia, foi obrigado a ficar isolado em casa. Recebeu alta do hospital em julho do ano passado, com anemia profunda, sequelas na visão, na coordenação motora, nos pulmões, com trombose e dependente para comer e fazer as necessidades. Os médicos esperavam até 8 meses para a sua recuperação, mas Santos reduziu o tempo para três meses. Hoje ele se locomove novamente sem o auxílio da bengala. “Devemos confiar nas pessoas. Comigo é assim, já deu tudo certo. Vamos confiar em Deus”, afirma ele otimista, em uma mensagem a outros idosos que se curaram da Covid-19 e agora precisam seguir com a vida.

Especialistas afirmam que, na vida pós-Covid, é fundamental que as pessoas da terceira idade sejam estimuladas ao retorno ao ambiente social, mas sem abandonar os cuidados médicos e a cautela com a crise sanitária. “Com a melhora da pandemia, o retorno do ambiente social é de extrema importância. Com todos os cuidados e seguindo os protocolos recomendados, a reconexão do vínculo familiar e amigos próximos é essencial. (É importante) O acompanhamento médico regular e auxílio psicológico também se fazem necessários nesse momento”, afirma Ana Carolina Piccioni, geriatra da SBA (Sociedade Beneficente Alemã), da casa de repouso SBA Residencial.

Para a especialista, os idosos que contraíram a Covid e não foram vítimas da doença podem ser considerados verdadeiros sobreviventes. Donato dos Santos, por exemplo, pegou o coronavírus em um dos momentos mais difíceis da pandemia, com pico do número de casos e ainda um certo desconhecimento pelos médicos sobre como tratar a doença. “A idade avançada por si só já está associada ao aumento do risco de morte e a combinação da idade avançada com comorbidades, que são muito frequentes nos idosos, acrescentam ainda mais o aumento da taxa de mortalidade nessa faixa etária”, ressalta Ana Carolina. “Aqueles que sobreviveram são privilegiados e provavelmente o fato está relacionado ao hábito de vida mais saudável e acompanhamento adequado das doenças. O efeito socioeconômico também deve ser levado em consideração, a disparidade dos serviços de saúde e a falta de acompanhamento médico de forma adequada prejudicaram muito quem foi infectado”, pontua. 

Coronavírus deixa a sequela da solidão

Os idosos tem desafio específico na vida pós-Covid: a solidão. Flavio Oliveira, psicólogo clínico da plataforma Buscoterapia, explica que é comum que haja um impacto psicológico do isolamento físico na terceira idade. “A obrigatoriedade de se afastar das pessoas. aumentou a sensação de solidão, elevou os níveis de estresse que podem causar o desenvolvimento de ansiedade e depressão”, avalia o especialista.

Ficar sozinho ao menos não foi o caso do alfaiate Donato dos Santos. Ele teve todo o apoio da família, composta pela mulher, por três irmãos, 14 filhos, 29 netos e 18 bisnetos. Seus familiares querem que ele descanse um pouco de todo o trabalho ao longo de décadas, mas o alfaite já tem subido e descido as escadas de sua casa como um treino para voltar a pegar ônibus. 

O psicólogo Flávio Oliveira afirma que a convivência social é o que mais fez falta para as pessoas da terceira idade na crise sanitária. “O idoso precisa de rotina, tem a necessidade de se sentir seguro dentro do seu dia a dia e a pandemia desconstruiu isso. Adequar-se a um novo padrão de rotina não foi nada fácil. Não poder caminhar, conversar com os amigos, não ter contato físico com filhos e netos trouxe bastante sofrimento”, afirma.

Para Oliveira, os idosos agora devem seguir em frente, mas lembrar que, mesmo que vacinados contra a Covid-19, não estão livres de uma nova contaminação. “Os cuidados devem permanecer, mas a vida precisa continuar. Os encontros com familiares e amigos próximos devem voltar a acontecer. É necessário voltar a ter o controle de suas vidas, só não se deve ignorar que a pandemia ainda não acabou”, finaliza.

ÓBITOS DA FAIXA ETÁRIA

São Caetano é a cidade do Grande ABC na qual os idosos representam a maior fatia do total de óbitos por Covid-19: 81%. Dos 907 mortes confirmadas pelo município, 754 foram de moradores com 60 anos ou mais de acordo com números retirados da Fundação Seade, plataforma do governo do Estado. 

A segunda cidade da região com o maior percentual de mortalidade entre os idosos é São Bernardo (70,6%), seguida por Santo André (69,8%), Ribeirão Pires (68,4%), Diadema (65,5%), Mauá (65,1%) e Rio Grande da Serra (63,6%). Ao todo, vieram a óbito 7.405 idosos no Grande ABC, correspondente a 69% do total de falecimentos na região (10.629).

Em números absolutos, a maior marca de óbitos de idosos foi registrada por São Bernardo (3.270), seguida por Santo André (3.083), Mauá (988), Diadema (907), São Caetano (754), Ribeirão Pires (242) e Rio Grande da Serra (55).  

PROGRAMAÇÃO ESPECIAL

A Prefeitura de Ribeirão Pires celebra o Dia Mundial do Idoso hoje com uma programação voltada à terceira idade. A comemoração tem início às 9h com a cerimônia de posse do Conselho Municipal do Idoso, relativa à gestão 2021-2023, no auditório da Secretaria de Assistência, Participação e Inclusão Social, localizada na Rua Miguel Prisco, 288, no Centro da cidade. O órgão oferece a assistência e defesa dos direitos dos idosos. 

Amanhã o Parque Oriental terá apresentações de dança com alunos de coreografia da terceira idade, a partir das 14h. A Prefeitura também anunciou que o CRI (Centro de Referência do Idoso) irá retomar as atividades presenciais a partir da próxima segunda-feira. Serão seguidos todos os protocolos de segurança e a previsão é a de que retornem 287 dos 700 alunos. 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;